Ruas de Roma | Itália | I gatti di Roma

Foi dia 20 de Setembro de 2018 que escrevi o último post sobre a maior viagem da minha vida e deixei pendente aqui. Ano e meio depois tenho a possibilidade de finalmente retomar esta escrita e vejam só a ironia do destino... só não escrevi mais cedo pois tive imenso tempo sem computador, tinha um tablet que mal dava para conseguir actualizar sequer as opiniões de livros, quanto mais editar e organizar fotos, e também passei a ter dois empregos onde fazia abertura de um lado e fecho doutro, mudanças de vida, de cidade, de empregos etc, tudo se meteu pelo caminho... Agora, quase dois anos depois da minha visita à Itália, num sonho que era tão querido meu há tantos anos, estou isolada em casa, com um computador novo que comprei de propósito para trabalhar neste blog e posso finalmente escrever sobre a minha maravilhosa visita ao país que, quase dois anos depois, está a ser o epicentro do coronavírus e por esse mesmo vírus estou agora a retomar a escrita destes posts que tenho tanto em atraso... incrível, não é? (╥︣﹏╥᷅)

Só espero conseguir agora juntar nesta escrita o meu amor por Roma em forma de homenagem, para vos mostrar o lindo e fascinante que é, especialmente esta parte que eu visitei, a cidade de Roma, linda, cheia de cores e cheiros, gentes simpáticas que falam alto mas alegres, história em todos os cantos, monumentos em todo o lado, e agora, mais do que nunca, prometo que, quando este pesadelo terminar, irei visitá-la uma vez mais, permanecer junto à minha amada Fontana di Trevi pela qual me apaixonei perdidamente, e desejar que esta tenha sido a última pandemia, que a humanidade vai acabar com a exploração massiva de animais, um maior respeito pela natureza/planeta e isto nunca mais se repita! 🙏


Aqui, de frente para o Coliseu, fiquei a contemplar o mapa para ver para onde me iria dirigir a seguir, já estava sinceramente cansada de andar, mas o entusiasmo era tanto que não aguentava estar deitada mais do que dois minutos, tal era a ânsia por partir à descoberta da cidade!


Cansada mas feliz!


O coliseu é mesmo mais pequeno do que eu esperava...



No início, eu estava tremendamente confusa com o sistema de transportes públicos em Roma, não percebia nada de nada, muitos números e letras e não percebia daquilo, mas é muito similar ao nosso, temos é de saber para onde queremos ir, a paragem em que temos de sair e vemos ali escrito onde estamos - S. Gregorio -, as paragens estão todas assinaladas com o nome do local onde nos encontramos e vemos a lista desde onde estamos até onde cada um dos autocarros vai.


Biglietteria Palatino - Entrada para o Monte Palatino (em latim: Collis Palatium ou Mons Palatinus; em italiano: Palatino) é a mais central das sete colinas de Roma e uma das partes mais antigas da cidade. Tem uma elevação de 40 metros, acima do Fórum Romano, para o qual tem vista de um dos seus lados. De outro, domina o vale ocupado pelo Circo Máximo. A partir da época de Augusto, os palácios imperiais de Roma passaram a ser construídos ali.


Aqui limitei-me a começar a andar ao calhas, é a minha parte preferida nas minhas viagens, quando chego a uma altura do dia em que já vi a maior parte do que queria e limito-me a andar à deriva e ver o que me vai surgindo pelo caminho... se bem que eu aqui já estava a morrer de sede, a minha garrafa já estava vazia e comecei a estar muito atenta à presença de fontes para encher a minha garrafa...





Parque do Circo Massimo di Roma! (✧ᗜ✧)

Os circos romanos eram as instalações lúdicas mais importantes das cidades romanas, além dos teatros e anfiteatros. Eram recintos alongados onde aconteciam jogos públicos, corridas de carros e diferentes espectáculos. O Circo Máximo de Roma (Circo Massimo), localizado entre os montes Aventino e Palatino, era um recinto alongado com espaço para 300.000 espectadores. A pista de areia, com 600 metros de comprimento e 225 de largura, fazia do Circo Máximo o maior de Roma, diante do Circo Flamínio e do Circo de Maxêncio.

No Circo Máximo aconteciam diferentes competições, entre as quais se destacavam as corridas de carros, nas quais os participantes tentavam dar sete voltas ao Circo. Os competidores, montados em pequenos carros puxados por cavalos, corriam não só por prestígio ou grandes prémios, já que muitos deles eram escravos que lutavam pela sua liberdade. Durante os jogos públicos também aconteciam exibições equestres, conhecidas como “Ludus Troianus”, uma simulação de batalhas feita por jovens aristocratas romanos, ou então corridas a pé, que duravam várias horas. Todas as competições tinham como estímulo as importantes apostas feitas. 

Ainda me sentei a desfrutar da vista, mas vi mesmo ao meu lado as maiores formigas que alguma vez tinha visto em toda a minha vida e pirei-me logo! ⊙ _☉







Aqui chegada, andei eu quase uma hora às voltinhas à procura da Boca da Verdade, para lá meter a mão, mas acabei por desistir... descobri hoje que tinha estado quase à minha frente e nem dei por ela... explico-vos mais abaixo como foi...



Finalmente encontrei uma fonte, depois de ter estado um par de horas cheia de sede sem encontrar fonte nenhuma em lado nenhum, sendo que, quando eu tinha água, encontrava uma fonte de x em x de metros, mas quando se me esgotou a água fiquei horas sem encontrar fonte nenhuma! (ಠ‸↼‶)

Eu aqui já estava desesperada por água, acreditem, ao tempo que não tinha tanta sede na minha vida, tanto que eu bebo pouquíssima água, no dia-a-dia uma garrafa de meio litro de água dá-me para uma semana! Mas já comecei a mudar isso e agora bebo muito mais água, ou chá, pois beber água só por beber nunca apreciei, mas aqui em Itália bebi que me fartei, estava um calor danado! 🌡

O lixo no chão era dispensável, os habitantes sabem bem que têm de estimar a cidade, os turistas devem tratar a cidade dos outros como gostam que tratem a sua!



Templo de Hércules Victor (em italiano: Tempio di Ercole Vincitore , "Hércules vitorioso") ou Templo de Hércules Olivário (Olivarius) é um antigo edifício romano localizado na Piazza Bocca della Verità. Pelo que eu averiguei, este templo foi erguido em honra de Hércules, por ter morto o gigante semi-deus Caco, por este lhe ter roubado o gado durante um dos seus 10 trabalhos.




O Fórum Boário (Foro Boario) era onde decorria o mercado de animais - especialmente bovinos - na Roma antiga. Além do Fórum Boário ter sofrido diversos incêndios, sofreu também diversas inundações, ... neste local ainda se conservam os templos de Hércules e Portuno.


Templo de Portuno (Tempio di Portuno), o principal templo dedicado ao deus Portuno em Roma. Portuno (em latim: Portunes, Portumnes ou Portunus) era o deus das chaves, das portas e do gado, além de proteger os depósitos onde se depositavam os cereais. 



Para enriquecer estas publicações das minhas viagens com informações históricas interessantes, faço uma enorme pesquisa online destes locais que visitei, muitos deles que encontrei de sem querer e não sei o que representam, e tendo em conta que só estive em Roma dia e meio não perdia muito tempo à procura de mais informações, então agora, a tentar descobrir que edifício era este, descobri que a Bocca della Veritá, que eu passei perto de uma hora à procura, estava ali dentro daquela igreja, passei mesmo lá em frente - diversas vezes! - sem saber que era ali dentro que estava! ヽ( ^Д^ )ノ

Mas pronto... na foto vemos a Igreja de Santa Maria in Cosmedin, que é uma igreja medieval muito conhecida por abrigar no seu pórtico a Boca da Verdade. A igreja foi construída no século VI sobre os restos do Templo de Hércules no Fórum Boarium. Um dos principais tesouros que se conservam nesta igreja é o relicário de cristal que guarda o crânio de São Valentim, padroeiro dos enamorados. A Boca da Verdade (Bocca della Verità) é uma enorme máscara de mármore de fama mundial e diz a lenda que mordia a mão de quem mentia. É comum ver muita gente a fazer fila para tirar uma fotografia com a mão dentro da Boca da Verdade.

Segundo reza uma das lendas relativas a esta máscara, uma mulher romana que, embora tivesse cometido adultério, enganou a Boca com um truque: antes de colocar lá a mão, a mulher, ao ser arrastada pelo marido, simulou um desmaio e um cavalheiro, que passava na rua, ajudou-a educadamente. No momento do teste, a mulher afirmou que nunca ninguém havia tocado no seu corpo a não ser o marido e o cavalheiro minutos antes. A mão saiu ilesa, já que o cavalheiro em questão não era outro senão o seu amante.


Sant'Omobono é uma área de pesquisa arqueológica em Roma descoberta em 1937, perto da Igreja de Santo Omobono, cuja exploração produziu importantes descobertas para a compreensão da história de Roma, inclusive da sua fundação e dos períodos monárquico e republicano. O local inclui dois templos, o Templo da Fortuna e o Templo de Mater Matuta.




Monte Capitolino (em latim: Mons Capitolinus), é uma das sete colinas sobre as quais foi fundada a cidade de Roma. 


O Teatro de Marcelo foi um antigo teatro romano a céu aberto localizado em Roma, construído nos últimos anos da República Romana, para a realização de espectáculos de teatro e música. É um dos monumentos mais visitados em Roma, por oferecer uma perspectiva única da reutilização de antigas ruínas romanas por edifícios posteriores, especialmente durante a Idade Média.




Aqui estão as máquinas de venda de bilhetes de transportes públicos automáticas, estão espalhadas pelas ruas, são bastante intuitivas, usam o mesmo sistema que o nosso país, em que um bilhete de autocarro dura uma hora e picos, podemos comprar bilhetes diários e escolher quais os transportes que queremos usar....


Esta foto é só para vos dar uma ideia, deveria de ter escolhido a opção em inglês para a foto, mas dá bem a entender o essencial... um bilhete para 24h/48h ou 72h em que podemos andar nos transportes todos sem limite, um bilhete único em que podemos andar no autocarro ou eléctrico durante 100 minutos sem limite, saltando de um para outro, no entanto, se andarem de metro, só dá para uma viagem. O que eu fiz foi andar uns 90 minutos de autocarro e elétrico, e depois na volta usei o metro para gastar os minutos finais, já que após o usar lá perderia o seu uso. No bilhete vem a hora em que acaba a validade. Para andar de metro mais vale comprarem o diário.

Convém comprar os bilhetes nestas máquinas, ou em lojas identificadas com o “T” de tabacchi, algumas bancas de jornais também vendem ou nas estações de metro e comboio, houve uma altura em que tentei entrar num autocarro e comprar lá o bilhete, e o motorista não vendia a bordo, perdi mais de uma hora até encontrar uma máquina destas para comprar o bilhete, pois àquela hora em que tentei apanhar o autocarro - perto da uma da manhã - já não haviam lojas onde comprar, e não encontrava estas máquinas, vi-me à rasca! 



Ínsula Romana (em latim: Insula Romana; literalmente "ilha romana", que significa "quarteirão romano") ou Insula dell'Ara Coeli é uma insula que remonta ao século II. O edifício, que antigamente tinha cinco andares é um exemplar bastante perfeito do planeamento urbano de Roma na época imperial, juntamente com exemplares similares na Óstia Antiga. Como era comum neste tipo de edifícios comunais, o piso térreo abrigava algumas tabernas, pequenas salas de frente para um pátio e protegidas por um pórtico, utilizadas provavelmente como lojas.

Os pisos mais altos eram utilizados como residências e contavam com pisos de tábuas em madeira e janelas rectangulares com trancas de madeira. Algumas características destes aposentos, que se tornavam cada vez mais pequenos nos andares mais altos, revelam o valor cobrado por cada um, com os andares mais baixos mais caros e os mais altos, mais baratos. Esta hipótese é reforçada pela dificuldade de se alcançar os andares mais altos, através de escadas, e o risco constante de incêndios e desabamentos.





Aqui já eram umas 21:00 e o dia ainda estava bem iluminado...




E sem querer - pois contava ir no dia a seguir - dei por mim na Área Sacra do Largo de Torre Argentina,  uma das áreas arqueológicas mais importantes do centro histórico em Roma, e um dos meus locais preferidos de Roma, pois é onde estão reunidos os famosos Gatti di Roma - gatos de Roma - a maior colónia de gatos em Roma, sendo que eles vivem ali mesmo no meios das ruínas!


A área arqueológica foi descoberta em 1926 e abriga as ruínas de alguns templos mais importantes do século III a.C., um deles teria sido dedicado à Deusa da Fertilidade.

Estão aqui também ruínas do Teatro de Pompeu, onde Júlio César, em 44 a.C. foi assassinado, apunhalado durante uma reunião do Senado Romano.


Reza a lenda que foi Taras, o fundador de Taranto e filho do deus do mar Poseidon, quem levou do Egipto alguns gatos para Roma, que rapidamente se foram difundindo pela Itália. Eram protegidos pela deusa Diana, filha de Júpiter e Latona e irmã gémea de Febo. Diana era das divindades femininas mais importantes da mitologia romana, era a protectora dos animais selvagens e domésticos, dos bosques e das fontes. Era ainda a deusa da caça e da Lua, o equivalente à deusa grega Artemisa, e muito evocada pelas mulheres para protecção durante a gravidez e o parto. Aos gatos, Diana concedeu poderes mágicos. Acreditava-se que os gatos pretos favoreciam as colheitas, pelo que, quando algum deles morria, era cremado e as suas cinzas espalhadas pelos campos.



Como podem ver está aqui no meio da cidade, uma espécie de rotunda gigantesca, com imenso movimento por todos os lados.


Quantos gatos estão nesta foto?


E quantos estão aqui?


E aqui? (ミ♡ܫ♡ミ)


A placa diz: “Proibido dar comida aos gatos. Os gatos são alimentados e recebem cuidados da Associação no espaço a eles dedicado. Todos os gatos são esterilizados e vacinados.” Estes gatos também estão disponíveis para adopção responsável, sendo que têm de entrar em contacto com a Associação Colonia Felina di Torre Argentina.



Após a escavação das ruínas, em 1929, alguns gatos estabeleceram-se nesta área e foram alimentados por moradores. Nos anos 1950, o actor Antonio Crast encontrou um antigo armazém onde arqueólogos guardavam as suas ferramentas, e ali começou a alimentar e a cuidar dos gatos.

As chaves do armazém passaram de mão em mão até chegarem a Lia Dequel, uma das fundadoras do santuário. Desde então, a colónia cresceu e tornou-se “no mais famoso santuário de gatos da Itália”, além de ser o mais antigo de Roma.





Aqui reabasteci-me de água novamente...



Estão a ver aquele senhor ali sentado? Eu aqui já estava mesmo cansada, então fui sentar-me ali ao pé, ele tinha um gatinho junto às pernas e aproximei-me para tirar fotos... o que aconteceu a seguir, nem eu  ainda acredito!


Podem ver aqui como eram os edifícios aqui presentes...


Ora cá estamos, eu sentei-me aqui para ver os gatos mais de perto, e este gatinho, ao colo do senhor acabou por vir ter comigo, a fazer-me "rumrum" nas pernas, quando o homem entretanto o chama: "Eusébio!! Vieni qui!!"... quais as probabilidades de o único gato que veio ter comigo se chamar Eusébio???!!! ¨*✲⋆(°o° )

Perguntei ao homem se falava inglês ou espanhol - não falava - mas entre o meu português e o italiano dele lá nos entendemos mais ou menos, ele percebeu que eu era de Portugal, Lisboa e do Benfica e confirmou-me que sim, que o gato se chamava Eusébio - não percebi se era pelo nosso jogar ou não - , que era muita coincidência, disse-me também que era um voluntário da associação, reformado, estava ali todos os dias a fazer companhia aos gatinhos, que também lhe fazem companhia a ele....

Aqui podem ver o nome de alguns dos gatos de lá.


Mais gatinhos que estavam junto onde eu me tinha sentado...


Eusébio!



Entretanto, a noite caiu, já eram umas 23:00 quando finalmente escureceu, o dia rendeu bem... mas já era um bocado tarde e eu cheia de fome que ainda nem tinha jantado...


Então, comecei à procura de uma pizzaria, pois nunca na vida eu iria embora de Roma sem provar uma pizza! 




Depois de ter andado TODO O DIA à procura da Piazza Navona, lá dei com ela de sem querer! Mas este dia ainda não acabou! Por isso... não percam o próximo episódio que nós, também não! (╹◡◠)

Alguns dos sites onde fui procurar informação histórica:
 https://viagens.sapo.pt/

Posts relacionados:

2 comentários:

  1. Já fui duas vezes a Roma e gostei bastante. Conheço as zonas por onde andaste. O artigo está impecável. Só não conhecia a história dos gatos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelas palavras! :D
      É isso mesmo que eu quero, mostrar a cidade de uma forma muito íntima com muitos factos curiosos, ando a aprender muito sobre os locais que visitei ao fazer agora estas pesquisas <3

      Eliminar

★ Todos os comentários são muito importantes, são o que dão vida a este blog. Obrigada por comentar e assim fazer parte deste espaço! ★
↧↧ ↧↧ ↧↧
✉ Para receber a minha resposta, clique ✔ em Notificar-me ☑