Um Blog entre... As ruas de Roma | Itália | A chegada

18 de setembro de 2018

Quem já leu as anteriores publicações desta minha viagem...:
...Sabe o que vem a seguir... Roma! E quando fui a ver as milhares de fotos, literalmente (mais ou menos 3 mil para cada cidade que visitei), vou ter de dividir as publicações de cada cidade visitada por partes, parte um, parte dois, as visitas às bibliotecas e museus vão ter publicações próprias, ...

Podia resumir e publicar só sobre o que mais gostei, mas eu não estou a ter este trabalho todo (tendo em conta que cada publicação destas demora no mínimo quatro horas a ser escrita e organizada, e o tempo médio tem sido oito horas!) só para mostrar algumas coisas, eu quero que:
- Quem nunca foi, se sinta, ao ler estas minhas publicações, como lá estivesse
- Quem já foi, se recorde da sua viagem
- Que seja uma ajuda para quem quer embarcar nestas aventuras, com dicas e ideias, história, itinerários, ...

Por isso aqui vai, espero sinceramente que gostem!


↪ Esta publicação está elaborada de forma a que: primeiro mostro a foto, e imediatamente abaixo faço os meus comentários, apresentações ou elaboro algum texto relacionado com a foto. A forma de ler esta publicação (e todas as minhas outras do blog) é: Foto - Texto - Foto - Texto, ... Podem clicar em cima das fotos para as verem maiores, com mais detalhe ↩

Depois da aventura que foi apanhar o avião para me meter a caminho de Roma, finalmente lá cheguei!


Nem queria acreditar... Sabem o que é sonhar com uma coisa, desde que se lembram que existem, e ela se realizar, materializar-se ali à vossa frente?

A primeira coisa que fiz mal saiu do avião, foi cheirar o ar de Itália... Não me cheirava a pizza nem a massa (lool), tanto que o aeroporto ainda fica um bocado longe, mas cheirava a limpo, a quente (estava TANTO calor!!), cheirava a diferente....

Uma das coisas que quis aprender, e depois vou complicar para vocês num post específico, foi o que é considerado falta de educação nos outros países, para o evitar fazer.
Em Itália, ao contrário do que estamos habituados a pensar, é falta de educação chegarmos ao pé de alguém que não conhecemos e começar com "Ciao!". Deve cumprimentar-se, tal como em Portugal, quem não se conhece, formalmente, como se fosse tratar por "você", com o simples bom dia, boa tarde, boa noite.

  • Buongiorno: usa-se de manhã, e durante todo o dia, até ao final da tarde
  • Buonasera: usa-se por volta da hora do jantar e quando já é noite
  • Buona notte: só é conveniente usar esta expressão quando nos despedimos de alguém, imediatamente antes de irmos dormir
  • Grazie mille: podemos dizer apenas "grazie!", mas eu usei mais esta expressão, que mostra profundo agradecimento e é mais educada
  • Parla portoghese?: pergunta que fiz imensas vezes
  • Parla inglese?: pergunta que ainda mais vezes fiz
  • Parla spagnolo?: pergunta que fiz tantas vezes ou mais que a anterior, porque acreditem, é mais fácil falarem em espanhol com os Italianos, do que em inglês...

Ah sim, há umas boas quantas regras de educação para usar em Roma, mas eu depois partilho convosco todo o meu conhecimento sobre esse assunto, com links de que me servi para aprender, e até vídeos que ensinam muito bem a falar, com a pronúncia correcta e tudo! ;)

Ao contrário do aeroporto de Lisboa, em que fui a pé até ao avião, aqui no aeroporto Ciampino apanhamos um transfer da companhia aérea que nos leva até à porta das chegadas.


Ia à pinha...


Quando aqui cheguei, fiquei verdadeiramente entusiasmada, depois de tantas horas a pesquisar digas, mapas, fotos, imagens para eu conseguir reconhecer os locais e não me perder, reconheci logo este local, e foi logo a sensação "aqui estou!"


Novamente o stress de ter de me tentar orientar, olhando para todos os lados, e desta vez ter de começar a traduzir! Neste caso, como não ia com bagagens nem nada, bastava seguir os "exit".


Antes disso, vi o sinal universal que simboliza a casa de banho, e fui refrescar-me depois dos nervos da viagem do avião, e preparar-me para o que ai vinha...


As casas de banho deste aeroporto são super modernas, simplicíssimas, e cheiram muito bem. Apanhei foi um susto de morte, porque depois de ter "mudar a água às azeitonas", a sanita despejou-se sozinha com um grande barulho! Tipo, não há botão do autoclismo nem nada, ela sabe quando nos levantamos e despeja-se! Boa!


Aqui fiquei outra vez à toa, porque tipo... Onde estão as torneiras? Temos de meter as mãos aqui debaixo, mas eu só dei por estas letras, que vocês vêm nas imagens depois de andar lá com as mãos de um lado para o outro, o que originou que a dada altura aquilo começou a deitar água ao mesmo tempo que deitava o ar para secar as mãos, o que originou que o ar me deitasse a água para cima!


Alo ao fundo, onde vêm uma placa de fundo vermelho escuro, aliás, é mais bordô, é uma torre para carregar os equipamentos eléctricos. Ao menos uma das vantagens das secas que apanhamos nos aeroportos é poder carregar as nossas máquinas à vontade, em todos há locais destes...


Lá me dirigi eu para a saída, cheia de um misto de emoções...


Mais uma vez fiquei encantada com a eficácia das minhas pesquisas, que deram todos os frutos e mais alguns, valeu bem as horas de sono perdidas, reconheci logo este local e dirigi-me para o lado direito, para os autocarros. E também tinha lido que para apanhar o tranfer da bus shutlle, o meu, era mais adiante.



Ali está ele, ali ao fundo!


E lá cheguei eu, bem direitinha, num par de minutos! A minha primeira pergunta, ao condutor: Parla inglese?:, a resposta foi em italiano: "mais ou menos", então, o pessoal cujo emprego é precisamente transportar turistas não fala no mínimo inglês?

Ainda bem que eu tinha praticado o italiano, comecei logo a ver que ia ter de me desenrascar imenso... Mas lá nos entendemos...


E ele trocou o meu bilhete impresso...


... por um bilhete de autocarro, o meu bilhete foi mais barato que isto, foi 5€ na net. Nos outros transfers dos outros países onde fui o bilhete impresso chegou, mas gostei que ele me tivesse dado este, ficou para recordação.


Esta é a fachada do aeroporto Ciampino.


O autocarro tinha bancos confortáveis... Comecei a ver as vistas...


Até fui na conversa com um senhor de alguma idade, de nacionalidade brasileira mas com pronúncia italiana, pois andava de lá para cá...


No entanto, caros seguidores, um novo receio começou a apoderar-se de mim... Eu estava ali, estava mesmo ali! Tinha chegado, estava a ver as vistas, a ouvir a falar italiano, mas eu não estava a sentir o que pensei que fosse sentir.... Devido às voltas e reviravoltas da minha vida, as minhas emoções são muito limitadas... Não por minha escolha, simplesmente foi... solidificando, estão a ver? Por isso, quem segue o blog já leu algures eu comentar "este livro quase me fez chorar", ou mesmo que me tenha feito chorar, e para isso acontecer é porque o nível de intensidade tem de ser surreal para mim...

Verdade seja dita que na viagem para lá, as vistas não foram grande coisa, até passámos por locais não muito bonitos e que sinceramente, não me pareciam muito diferentes de Lisboa. De facto, estive em vários locais em Roma em que achei a semelhança com a baixa de Lisboa arrebatadora! Foi ai que comecei a perceber a intensidade da cultura romana na minha cidade.


Finalmente, começaram a aparecer os edifícios mais bonitos a entrar em Roma.



E finalmente cheguei a à estação de Termini! Como vos aconselhei nas publicações anteriores sobre esta viagem, eu escolhi este local porque, além de ser um dos mais conhecidos, têm transportes para todo o lado, é o equivalente à nossa Santa Apolónia ou Oriente, é aqui que o transfer do aeroporto me deixou e era aqui que eu o ia apanhar, e porque ficava a dez minutos a pé da pousada....

Stazione Termini ou Roma Termini é uma estação ferroviária de Roma, sendo uma das maiores da Europa. O seu nome deriva do distrito homónimo, que por sua vez foi baptizado a partir das antigas Termas de Diocleciano (em latim, thermae), que se encontram em frente à entrada principal da estação. Desde 23 de dezembro de 2006 é dedicada a João Paulo II.

E ter polícia ao pé também é uma mais valia, pelo sim, pelo não. E saber onde é a embaixada também.


E pronto, aqui estava eu, assim um bocado "cuspida" para Roma, sem saber que direcção tomar, apesar do mapa e das fotos da rua onde supostamente era o alojamento. O stress deste alojamento é que eu não tinha encontrado, nem por nada, a porta onde o dito ficava!! Mais à frente vocês já vão compreender o porquê... Mas pronto, apesar de sensação avassaladoras me começarem a assaltar, tipo "o que estou aqui a fazer sozinha?", "e agora?", "fogo, está um calor do diabo, ..."


Liguei para a minha mãe e para a minha avó para saberem que eu já tinha chegado, desabafei um bocadinho, depois de desligar respirei fundo, escolhi uma rua ao acaso e lá fui...


Estes anúncios dão jeito para saber em que rua me situo, se bem que neste caso não me estava a ajudar muito, pois eu comecei a ficar mesmo perdida, e mais tarde descobri que os mapas em Roma, por algum motivo, se lêem ao contrário (pelo menos aqueles que eu arranjei!). Se no mapa me diz para ir para a direita, quer dizer que é para a esquerda, e se diz que é para cima, é para baixo....
Mas isso fica para uma história seguinte...


Apesar de tudo, lá tentei aproveitar um bocado as vistas...


Curioso...

Santa Maria Maggiore ou Basílica de Santa Maria Maior é uma das quatro basílicas maiores, uma das sete igrejas de peregrinação e a maior igreja mariana de Roma — motivo pelo qual ela recebeu o epíteto de "Maior". Foi a primeira igreja do Ocidente dedicada ao culto de Maria, e tem uma celebração específica na liturgia católica rememorando o fato: a Dedicação de Basílica de Santa Maria Maior.
Obelisco Esquilino
Este obelisco imponente é a peça de arquitectura mais impressionante da Praça Esquilino. Foi supostamente construído na época do imperador romano Domiciano. Tem uns 15 metros de altura e faz parte de um conjunto de 13 edifícios semelhantes espalhados pela cidade.

Mas eu ainda não estava preparada para andar a ver as vistas, queria mesmo encontrar o alojamento e pousar a mal, porque apesar de eu ter levado pouca coisa, não deixava de estar algo pesada e já se me estava a enterrar nos ombros... Então, fui até aquele quiosque em frente e começou novamente mais uma aventura linguística.... Entre o português, inglês, italiano e espanhol, lá me fiz explicar e compreender que eu queria saber a direcção da via Napoleone III. Ele mandou-me na direcção errada... Mas eu lá me encontrei...


...e descobri que tinha andado às voltas, total e desnecessariamente...


...porque se eu me tivesse mantido junto à estação Termini e tivesse ido para a entrada lateral direita, oposta às paragens dos autocarros, bastava ter entrado por uma rua transversal e andar sempre em frente, que chegava lá direitinha! Mas pronto...


...serviu para me começar a embrenhar no ambiente...


Quando vi aquela estátua, ali ao meio ao fundo, quase me benzi... Mais uma vez reconheci esta zona pelas fotos, e sabia que o alojamento era mesmo ao lado! 
Sant'Eusebio all'Esquilino ou Igreja de Santo Eusébio no Esquilino, conhecida apenas como Sant'Eusebio, é uma igreja titular em Roma dedicada a Santo Eusébio de Roma, um mártir do século IV, localizada no rione Esquilino. Mencionada pela primeira vez em 474 numa inscrição nas Catacumba de Marcelino e Pedro ad duas Lauros, esta igreja foi reportada como Titulus Eusebii nos atos do sínodo de 499. Foi consagrada "in honorem beatorum Eusebii et Vincentii" pelo papa Gregório IX depois da reforma de 1298. Elementos românicos, que remontam a esta época, sobreviveram às reformas dos séculos XVII, XVIII e XX.
Mas agora... qual lado?

É que eu não encontrava a fachada em lado nenhum, nem em casa a pesquisar na net, nem na rua, e andei de um lado para o outro feita louca e não dava com ela!

Depois, por coincidência, já não bastava eu andar com mapas na mão de ar perdido e desesperado, como veio um senhor brasileiro ter comigo pedir indicações! Eu que estava tão ou mais perdida que ele!

Disse-lhe que tinha chegado nem há vinte minutos, não conhecia nada, era a minha primeira vez ali, e que já estava a ficar preocupada por não dar com o alojamento. Ao que ele me dissse, tal como um amigo meu cá em casa já me tinha dito para me atazanar, que já tinha ouvido histórias de pessoas que alugam alojamentos e esses alojamentos não existem! Bem, eu que já tinha esse receio depois de o meu amigo Nuno me ter andado a provocar com isso, ainda vinha aquele turista dizer-me aquilo também, de um sítio que, verdade seja dita, pouca informação havia na net e não se encontrava a fachada em lado NENHUM!

Entretanto, estava eu no meio da rua já desesperada e a pensar em voltar atrás e falar com a polícia que tinha visto antes, quando estacionou um taxi mesmo à minha frente e lá fui eu tentar a minha sorte. O homem nem inglês, nem espanhol, nada... só falava exclusivamente italiano. Mas eu não desisti. Mostrei-lhe o mapa, a foto que eu tinha da entrada da rua, a morada, o número da porta, tudo.

O homem, em italiano dizia-me: "É o número 89? Vamos lá procurar o número 39! Os números ímpares deste lado, pares do outro, ou seja, é deste lado, ..." eu poso não saber falar grande coisa de italiano, mas vá lá que percebo grande parte! E lá andámos à procura e não é que não dávamos com ele?


Depois, de passarmos várias vezes por uma porta muito grande, ele olhou bem lá para cima, e vimos o número!


Grazie mille!! Grazie mille!! Muchas gracias!! Obrigada!!

Agradeci-lhe em todas as línguas que me lembrei, mas... e agora???


Estão a ver aquelas campainhas no lado esquerdo? Comecei à procura de alguma que dissesse "Termini 89", que é o nome do alojamento, nada... Mas tive o sangue frio para olhar para o lado oposto, e estava mais campainhas em frente aquela...

Toquei, já a rezar a todos os santinhos, abriram-me a porta, e vim aqui parar...


O tecto do corredor, lá por dentro...


Fiquei tipo... e agora???? HELLLLOOOOO???
Tipo... Ninguém me vem receber? Fico aqui ao calhas?
Depois de mandar um berro ou dois, lá apareceu um senhor indiano, que me fez sinal para avançar... Esquisito! Que raio de sítio era aquele??


Quanto mais eu me aproximava do suposto alojamento, mais preocupada eu ficava... Mas...

Essa é uma aventura para uma próxima publicação que vou escrever só para o alojamento, pois tenho muito a contar sobre esta parte....


 O que importa, é que depois de tudo, lá me foi dada uma cama, um armário com chave para guardar as coisas, lá o fiz, refresquei-me, meti na mochila apenas o essencial, e lá parti eu, finalmente, à descoberta de Roma!

Piazza Vittorio Emanuele II, também conhecida apenas como Piazza Vittorio, é uma praça de Roma localizada no rione Esquilino, um local antigamente ocupado pelos Jardins Lamianos.


Fontana del Giardino di Piazza Vittorio
A fonte consiste num grupo marinho (um golfinho, três tritões e um grande polvo) executado por volta de 1910 pelo escultor siciliano Mario Rutelli para a fonte do Najadi da Piazza Esedra. Pouco apreciada pelos cidadãos, que ironicamente a rebaptizaram de "fritos mistos", as estátuas foram logo substituídas pelo grupo de Glauco, ainda em pé no centro do grande tanque da Piazza della Repubblica.
Esta estátua rejeitada foi então colocada nos jardins da Piazza Vittorio, no meio de uma piscina modesta, onde ainda está localizado, não muito longe dos valiosos restos da antiga Exposição Acqua Giulia, mais conhecida como Troféus de Mario. 
Ninfeu de Alexandre (em latim: Nymphaeum divi Alexandri; em italiano: Ninfeo di Alessandro), um monumento mais conhecido como Troféu de Mário, é uma fonte da Roma Antiga cujos restos se conservam no ângulo setentrional da piazza Vittorio Emanuele II, no rione Esquilino.

Há alguns edifícios que eu não vos vou conseguir, pelo menos de momento, indicar quais são, porque não tomei a devida atenção na altura e não registei. Se vocês souberem e me quiserem dizer, os vossos conhecimentos são mais do que bem-vindos para ajudar a enriquecer estas minhas publicações! :D



Ruas como esta eram o que me custavam mais... fosse naquele calor abrasador ou mesmo de noite, calcar tudo, especialmente a subir... No meio desta rua (será que foi esta?) entrei numa lojinha e perguntei a uma velinha, num italiano muito manhoso por onde era a Fontana di Trevi, e a velhota ao notar a minha pronúncia perguntou se eu era portuguesa, ao que eu disse que sim, e ela disse que era espanhola, então acabámos por falar em espanhol e ela deu-me excelentes indicações, e ainda me disse que se eu precisasse de algo, para ir ter com ela, visto eu andar por lá sozinha... Super simpática, alegrou-me logo o dia! Agora não tenho a certeza se foi nesta rua, ou outra parecida, sei que andei por montes de ruas destas, porque fui dar a volta maior para chegar até onde eu queria ir... Sem saber, claro... Honestamente, chegou uma altura em que guardava os mapas e me limitava a andar...


Também não sei que edifício é este...


Queria fazer um roteiro sobre onde se comer barato, pois foi o que eu pesquisei mais na net, para partilhar convosco, mas ainda não tenho muita prática com isto, por exemplo, tirei foto aos preços, mas esqueci-me de apontar onde isto ficava, mas já ando a melhorar nisto e depois tento fazer uma publicação decente sobre os locais baratos que encontrei para comer...


Sim... Como já tinha referido antes... Estava um calor dos diabos!




Quattro Fontane
Quattro Fontane é a denominação dada, em Roma, ao cruzamento entre a antiga Via Pia (hoje via del Quirinale — via XX Settembre) e a Via Felice (percurso que liga a Trinità dei Monti à Basílica de Santa Maria Maggiore, hoje via Sistina — via Quattro Fontane — via A. Depretis).
É caracterizado pela presença, nas quatro esquinas, de quatro fontes (Quattro Fontane), que dão nome ao cruzamento, à rua homónima, e à igreja de San Carlo alle Quattro Fontane, que Francesco Borromini construiu entre 1638 e 1663 (também chamada San Carlino). Característica única em Roma, do cruzamento podem ser vistos à distância os obeliscos de Santa Maria Maggiore (a este), de Trinità dei Monti (a oeste) e do Palazzo del Quirinale (a sul), e a fachada da Porta Pia (a norte), obra de Michelangelo Buonarroti.
O conjunto de fontes foi encomendado pelo Sisto V a Muzio Mattei. Construídas entre 1588 e 1593, figuram nas quatro fontes o rio Tibre (símbolo de Roma); o rio Arno, símbolo de Florença; a deusa Diana, símbolo da castidade; e a deusa Juno, símbolo da força. As fontes do Arno, Tibre e Juno são trabalho de Domenico Fontana, e a fonte de Diana foi desenhada pelo pintor e arquiteto Pietro da Cortona.

Ai, estas ruas... Eu estava a ver que nunca mais chegava a lado nenhum.... 



Hum... Acho que a tal rua da loja da velinha era aquela à direita... Que é parecidíssima com a outra... Ruas que mais parecem precipícios...


Ah, agora sim! Estavam a começar a aparecer as ruas idílicas e as paisagens pelas quais eu andei tantos anos a suspirar!


Aqui, caros leitores, aqui consegui eu finalmente sentir-me mais à vontade, já começava a ver os traços italianos que estavam a falar nesta minha primeira hora em Roma, e consegui o meu primeiro sorriso de satisfação...




Fontana di Trevi!! 
Finalmente, um sinal que já estava perto! 
Bora lá seguir o sinal!!

Mas digo-vos, muito honestamente estranhei aquele sinal tão inusual e pensei mesmo que fosse uma espécie de partida para os estrangeiros, e que, ao seguir o sinal, iria parar sabe-se lá onde... Mas não, podem seguir estes sinais "rudimentares" à vontade, que vão ter aos sítios! ;)



Encontrei o Pinóquio ツ


Eu nesta altura ainda não sabia, mas já estava perto...


Nem uma hora tinha passado e eu já tinha de encher novamente a garrafa, que não só já estava quase vazia, como já estava quente... Não me lembrava da última vez que eu tinha tido tanto calor... A água das fontes em Roma sai tão fria, que até aparece logo condensação na garrafa, sai fresca como se tivesse a sair de um frigorífico, é incrível!




Esta linda rua, caros leitores, esta linda rua, nem vos digo como eu a amo!
Via del Lavatore!!
Sabem porquê? Apesar de eu já andar a ver algumas ruas típicas de Itália, vespas, pizzas, esparguete... Ainda não sentia o que eu pensava que ia sentir ao realizar este sonho... não vos sei explicar, mas não me sentia em Roma...

Até que, a meio desta rua comecei a ouvir um barulho estrondoso! Nem imaginam o barulho, era o barulho a água a cair, como uma cascata, ... Será que eu estava quase a chegar à minha tão almejada Fontana di Trevi?


Sim!!! Sim, oh, céus, cheguei! Virei a esquina e ela apareceu assim, de repente, com toda a sua grandiosidade, à minha frente, num segundo, sem me dar tempo sequer para me preparar, foi como levar um murro no estômago de emoção! Ali estava ela!


Num total oposto à minha isenção de sentimento e emoção até aquele momento, a emoção que jorrou de dentro de mim veio com uma violência que sim, digo-o sem problemas e até feliz, que eu chorei, chorei mesmo! Não sei se conseguem notar, mas nesta selfie nota-se um pouco que tenho lágrimas nos olhos e que estou verdadeiramente emocionada. Chorei, discretamente, pois havia gente por todo o lado, mas chorei, vá, umas lágrimas de emoção, não comecei a soluçar nem nada, ... Senti de uma forma arrebatadora não só que estava finalmente em Roma, como senti uma paixão brutalíssima por esta fonte que nunca pensei possível. Tinha curiosidade em vê-la por ter ouvido falar tanto dela, e já a ter visto em filmes e em tantas fotos, mas vê-la ali, à minha frente, com todo o seu simbolismo e imponência... Foi esmagador... Apaixonei-me...
Há uma lenda na qual se diz que se uma moeda for atirada para dentro da Fontana di Trevi, a pessoa voltará a Roma; se uma segunda moeda for atirada, a pessoa irá apaixonar-se por um(a) italiano(a) e se uma terceira for atirada, garante o casamento.


Reza a lenda que, no ano de 19 a.C., uma bondosa jovem virgem, ao passar por soldados do exército de Marcus Vispânio Agripa, esgotados e cheios de sede, levou-os até a uma fonte de água pura, que ficava a 13 quilómetros da cidade. O imperador Augustus, ao saber disso, criou um aqueduto de 22 km, que levava água da fonte até à cidade, e chamou à obra Acqua Virgo, ou seja, Águas Virgens, em homenagem à jovem da lenda.
No século XVIII, o Papa Clemente XII decidiu realizar a construção monumental da Fontana di Trevi, sobre no local em que o aqueduto terminava, que se localiza no cruzamento de três vias, um trivio. Também se diz chamar assim devido ao formato de trevo desta intersecção, assim a fonte recebeu o nome de Fontana di Trevi.
Algumas curiosidades da Fontana di Trevi

  • As quatro estátuas na parte superior representam as estações do ano.
  • No centro está o deus Oceano, que conduz um carro em forma de concha, puxado por dois cavalos-marinhos. Um cavalo calmo e o outro inquieto, que demonstram essas duas características do mar, ora revolto, ora tranquilo.
  • O grande chafariz simboliza o mar.
  • As duas estátuas nos nichos laterais simbolizam duas características da água: a abundância e a salubridade (O que contribui para a saúde, higiene).
  • A Fontana di Trevi já foi palco de diversas cenas de filmes, a mais famosa delas é o banho de Anita Ekberg e Marcello Mastroianni no filme La Dolce Vita, de Federico Fellini.
  • Todas as moedas atiradas pelos turistas totalizam aproximadamente 2 mil euros por dia, cerca de 700 mil euros por ano, que são doados para a Cáritas. In Unitur Podem ler essa informação ☛ aqui.

Lenda da Fontana Degli Innamorati
Fontana Degli Innamorati (fonte dos apaixonados), que se encontra ao lado da Fontana di Trevi, tem uma lenda. Reza a lenda que, nos tempos romanos antigos, quando um jovem soldado romano era obrigado a ausentar-se e a afastar-se da sua amada, os dois iam até aquela fonte, a rapariga enchia um copo com aquela água para o rapaz beber, e depois partiam o copo. Um laço místico era criado, e o jovem soldado podia partir com a certeza de que o amor não se iria dissolver pela distância...
Se resulta ou não, não sei, mas uma coisa vos digo: antes de eu saber desta lenda, era nesta fonte onde eu mais bebi água, foi a melhor água que bebi em toda a minha vida, e eu enchi a minha garrafa em centenas de fontes por toda a Roma, mas nenhuma me sabia tão bem, tão doce, tão aveludada, tão suave, como a água desta fonte... e eu nem sou apreciadora de beber água! Mas esta água.... uma delícia!


Depois, virei-me de costas e atirei uma única moeda, pois o meu desejo é voltar a Roma...


Santi Vincenzo e Anastasio a Trevi ou Igreja dos Santos Vicente e Anastácio em Trevi, é uma igreja barroca de Roma, Itália, localizada no rione Trevi. Construída entre 1646 e 1650 com base num projeto do arquiteto Martino Longhi, o Jovem, perto da Fontana di Trevi e do Palácio Quirinal, do qual serviu como igreja paroquial, e notável por ser o local onde os precórdios e corações embalsamados de 25 papas, de Sisto V até Leão XIII, estão abrigados. É a igreja nacional dos búlgaros em Roma.

Roma está repleta de segurança, polícias e soldados do exército, em quase todos os cantos. Mais segura é impossível, se bem que quando eu precisei mesmo de ajuda, quando na minha primeira noite em Roma me perdi e estava mesmo longe da pousada e me vi grega para apanhar um autocarro, não vi nenhum,... mas essa minha aventura é tema para os posts seguintes destas minhas viagens! ;)

Agora sim! Sentia-me em Roma, sentia-me feliz, sentia-me revitalizada, sentia-me uma pessoa nova! Sentia como se tivesse deixado toda aquela... "sombra negra" que me andava a assombrar à tanto tempo levadas pelas águas da Fontana di Trevi, quando eu molhei lá as mãos e os braços, quis tocar-lhe, quis absorver toda a sua essência, e senti-me verdadeiramente mais leve, mais "eu", mais viva, fiquei eléctrica! ❤

Fiquei prontíssima para o que desse e viesse, para me perder e encontrar, mas antes disso...
Para que lado ficava o Coliseu?
Ah, eu queria tanto ver o Coliseu!!

Vamos lá então à procura...

No próximo post! ;)

16 comentários:

  1. Já fui lá há alguns anos... que saudades!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também já me deixa muitas, muitas saudades.... ♥

      Eliminar
  2. Sem duvida que adorei ler e ver as fotografias deste post..
    fico a espera de ler as regras de usar heheh.

    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom! :D
      Ah, são regras como nós tugas também temos em termos de educação, o que é considerado um elogio ou ofensa, é muito interessante! :D

      Eliminar
  3. ¡Muy interesante diario de viajes! ¡Y qué pormenorizado! Tengo ganas de leer el siguiente episodio...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ¡Hola Alejandro!

      Creo que te va a gustar, porque hay algunos momentos típicos mios, que me voy a enfadar, entonces... ¡**** que pariu!!!

      ¡Como a ti te encanta! xD

      Eliminar
  4. Hola, tenho muito orgulho em ti como consegues realizar alguns dos teus sonhos... e como tens tanta coragem para os realizar sem medos, creio que eu sozinha nunca iria a tantos paises e tenho (inveja) de não ser capaz como tu , ainda bem que gostaste e te divertiste.Sigue disfrutando de la vida hija muchos besitos ***

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelas palavras, Mãe! ❤
      Quem sabe as voltas que a vida dá, e um dia não te levo a estes locais, agora que os conheço e me consigo orientar por lá, especialmente à Escócia ♥

      Eliminar
  5. Que emoção Liliana, nem imaginas o quanto estou feliz por teres realizado um dos teus sonhos!
    Grazie Mille, por esta publicação que me deixou arrepiada por tudo aquilo que sentiste, que bommmmmmmmm.
    Confesso que quando procuravas o alojamento tb pensei o pior (bolas) mas ainda fiquei com mais medo quando o encontraste, entraste e não vinha ninguém, fiquei sem pinga de sangue (claro que já tinha percebido que tinha tudo corrido bem) mas fiquei apreensiva, estavas sozinha...
    Quero saber as regras, quem sabe um dia vou precisar (eheheh),
    A placa rudimentar deixou-me: ups, então mas um local tão grandioso,quase nem se vê a indicação e cria dúvidas ai que loucura,ahahaahah.
    Vais voltar com tudo a que tens direito, tenho a certeza. Abraço de coração!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada por "viajares" comigo querida Tina! :)
      Só espero que estas publicações venham a ser uma inspiração ou de grande ajuda para viajantes, como outros sites de viagens me ajudaram a mim, para que tudo tivesse corrido bem como correu... :)

      Eliminar
  6. Gostava de conhecer Roma (nunca fui a Itália). Gosto imenso da língua italiana e há muitos, muitos anos tirei o 1º ano do Curso de Italiano. Estas publicações são uma preciosa ajuda para quem viaja.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pelas viagens, é mesmo isso que eu tento fazer e espero, sinceramente, que estas publicações sejam de grande ajuda e inspiração para quem vai viajar, pois eu sei bem o que passei à procura de dicas e instruções e a dificuldade que eu tive, especialmente lowcost, e ainda mais em português, então quero ver se dou o meu contributo com a experiência adquirida :D

      Eliminar
  7. Gosto muito da descrição, obrigado pela partilha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico muito contente, espero que também goste das que ainda estão para vir ;)

      Eliminar
  8. Que boa a sensação de sonho realizado! Parabéns!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai isso foi, sem dúvida! Quando lá cheguei senti o coração a transbordar! :D
      É uma sensação incrível! <3

      Eliminar

★ Todos os comentários são muito importantes, são o que dão vida a este blog. Obrigada por comentar e assim fazer parte deste espaço! ★
↧↧ ↧↧ ↧↧
✉ Para receber a minha resposta, clique ✔ em Notificar-me ☑