Um Blog entre... As ruas de Roma | Itália | À descoberta

20 de setembro de 2018


Pois é pessoal, como eu vos quero mostrar e contar TUDO e ensinar-vos tudo o que aprendi, esta minha aventura pelos quatro países ainda vão dar bastantes publicações aqui no blog, e por isso vou dividir os posts, para que não fiquem muito compridos, e depois vou criar alguns específicos sobre locais a que eu fui, tais como museus, alojamentos, bibliotecas, etc, esses vão ter posts exclusivos para esses temas específicos. Para que estes posts: "um blog pelas ruas..." não fiquem sobrecarregados.

Só espero que apreciem estas publicações, pois já perdi mais tempo a escrevê-las e organizá-las do que a passear por estes países! =P

Por isso, vamos lá, que eu só estive em Roma dia e meio, mas mal parei de andar, andei centenas de quilómetros a pé e vi TANTA coisa!

↪ Esta publicação está elaborada de forma a que: primeiro mostro a foto, e imediatamente abaixo faço os meus comentários, apresentações ou elaboro algum texto relacionado com a foto. A forma de ler esta publicação (e todas as minhas outras do blog) é: Foto - Texto - Foto - Texto, ... Podem clicar em cima das fotos para as verem maiores, com mais detalhe ↩

Depois de ter chegado à minha amada Fontana di Trevi, como vos contei no post anterior, fui ter à Via del Corso, uma das principais vias de Roma.


Via del Corso

O seu anterior nome, Via Lata (que significa "Caminho Largo") deriva-se ao facto de que a estrada era considerada larga, especialmente em comparação com as vias vizinhas.
A partir do século XV, a rua passou a servir como pista de corridas durante o carnaval romano para um evento anual de cavalos sem cavaleiros, a que se chamava: "corsa dei barberi", o que deu origem ao nome "Via del Corso". Actualmente, a via é bastante popular para a típica "passeggiata", o passeio nocturno a pé da população. É também um importante centro de compras para romanos e turistas. in Wikipédia
Tem 1,5 km e aproximadamente 10 metros de largura, e tem lojas umas a seguir às outras, porta sim, porta sim. Das mais baratas até às absurdamente caras,... Igrejas, cafés, gelatarias, lojas, lojas, lojas, ...

Esta rua serve para irmos ter a imensos lados, na exterminada norte temos a Piazza del Popolo, entre as igrejas de Santa Maria dei Miracoli e a Santa Maria in Montesanto, e na extremidade sul temos o Monumento Nazionale a Vittorio Emanuele II, na Piazza Venezia e pelas ruas transversais, recheadas de piazzas, vai dar a imensos locais dignos de serem visitados, estátuas e monumentos!

Caminhando pela Via del Corso, chegando à Via delle Muratte, vira-se à direita e chegamos à Fontana di Trevi.


Então, lá me meti eu a andar, pois segundo o meu mapa, eu ia em direcção ao Coliseu... Mas não... Pelos vistos, nos mapas que eu tinha, eu teria de virar o mapa de pernas para o ar se quisesse orientar-me por ele, algo que só reparei depois de umas quantas horas, quando olhei para o nome de uma rua, procurei o nome dessa rua no mapa, e apesar de a rua estar no meu lado esquerdo, no mapa apresentava-se do lado direito... Ou seja, andei as primeiras... sei lá... quatro horas em Roma a andar ao contrário, e por isso nunca dava com os locais que eu procurava! Mas como dava com outros que também eram do meu interesse, foi uma aventura!

Mas por acaso em Roma, eu nunca encontrava os locais que procurava, só os encontrava quando desistia de os encontrar, ou quando tentava encontrar outros!  シ 


Ainda não vos contei o caos que é andar a pé em Roma, o perigo e desconexo trânsito... Já tinha ouvido dizer que aquilo a nível de condução é uma selvajaria, mas a estes níveis e a acontecer comigo, é outra coisa, de outra intensidade... Nesta foto consegui apanhar o que eu já tinha dito a amigos, que nem a polícia respeita as regras do trânsito, caros leitores...

NÃO CONFIEM NAS PASSADEIRAS NEM NOS SINAIS EM ROMA!!

Não interessa se está verde, se está vermelho, se vocês estão na passadeira! Os condutores não querem saber!
Sabem como se passa numa passadeira em Roma? A PESSOA TEM DE SE METER À FRENTE DO CARRO, PARA ELE PARAR!!! É VERDADE!!!

Eu tive carros a pararem a centímetros de mim, e eu na passadeira e com mais pessoas! Sim, porque a determinada altura eu recusava-me terminantemente a passar passadeiras sem que fosse com mais gente, e de preferência que não fosse eu das primeiras junto do lado onde passavam os carros, pelo sim pelo não, eu:
  • Ou esperava que não houvesse um único carro para passar
  • Ou passava no meio de uma multidão
  • Ou passava a correr a alta velocidade
  • Ou então nem sequer passava, dava a volta por outro lado qualquer...
O que vale é que nas ruas de Roma há uns bons quantos sítios em que os carros não circulam... No entanto há outros sítios em que os automóveis mal cabem, nem sei como eles não ficam lá presos entre paredes, e no entanto... lá andam eles!! É a loucura! E um perigo!! Por isso, MUITO CUIDADO!


Portanto, eu encontrava-me na Via del Corso...


Que apesar de parecer que nunca mais acaba, é tão bonita e tem tantas coisas para ver, que já por si vale o passeio...


 Aqui lembrei-me imediatamente da Carrie de "O Sexo e a Cidade".


Então, apesar de eu pensar que ia na direcção do Coliseu, fui dar por mim na Piazza di Spagna.


Fontana della Barcaccia
Fontana della Barcaccia ("Fonte da Barcaça") é uma fonte barroca localizada na Piazza di Spagna, no início da Escadaria de Espanha. O seu nome é uma referência ao seu formato de um barco semi-afundando, com água que sai das amuradas. A fonte foi encomendada pelo papa Urbano VIII e terminada em 1627 por Pietro Bernini e pelo seu filho, Gian Lorenzo Bernini.
Este formato foi escolhido pois, antes da construção dos muros na margem do Tibre, o rio provocava com frequência enchentes e, em 1598, houve uma particularmente intensa, e a Piazza di Spagna ficou um metro debaixo d'água. Quando a enchente cedeu, um barco tinha ficado encalhado na praça.
O poeta inglês John Keats gostava de ouvir o reconfortante som da água desta fonte em seu leito de morte. Segundo ele, o som lembrava-lhe falas de peças antigas e foi a fonte de seu epitáfio: "Aqui jaz aquele cujo nome foi escrito na água". In Wikipédia 

Piazza di Spagna
Piazza di Spagna, conhecida até o século XVII como Piazza di Francia, com a sua famosa escadaria até a igreja Trinità dei Monti, é uma das praças mais famosas de Roma, localizada no rione Campo Marzio. O seu nome é uma referência ao Palazzo di Spagna, sede da embaixada do Reino da Espanha à Santa Sé.
Do lado direito da escadaria está a antiga casa do poeta inglês John Keats, onde viveu e morreu, em 1821, casa essa que é hoje um museu dedicado à sua memória e à do seu amigo Percy Bysshe Shelley, repleta de livros e lembranças do romantismo inglês. Do lado esquerdo, está o famoso Salão de Chá Babington's, fundado em 1893.
Ao lado da via Frattina está o Palazzo di Propaganda Fide, uma das propriedades da Santa Sé em Roma. Em frente à sua fachada, projetada por Bernini (mas realizada por Borromini), está a coluna mariana da Imaculada Conceição, inaugurada dois anos depois da proclamação do dogma (1856).
A monumental escadaria, com 135 degraus, foi inaugurada pelo papa Bento XIII por ocasião do Jubileu de 1725. In Wikipédia

Recordemos-nos que estavam uns 40 graus neste dia, e eu que já estava cansada da aventura que tinha sido a minha primeira viagem de avião, e do episódio em que andava perdida à procura da pousada (pois vão haver outros episódios de eu andar perdida, desde pouco perdida a totalmente perdida nos diversos países), então, cheguei a meio da escadaria e disse, em voz alta, em modo de desabafo: "Porra! Já estou velha para esta ****!"....

Passou por mim um par de portugueses que se começaram a rir...

Esta escadaria é um grande ponto de encontro entre os romanos e os turistas... Pelos vistos é tradição nos sentarmos nas escadas... Já nem me lembro se me cheguei a sentar, mas acho que não, pois eu estava ansiosa por chegar lá acima, por explorar, e estava muito calor...


Adoro estas luzes de Roma, que me fazem tanto lembrar as luzes da  minha Lisboa, mas com um toque distinto...


Este foi o meu primeiro encontro com a simbologia egípcia, quem me conhece sabe que é uma das maiores paixões da minha vida, e eu para Londres já tinha planeado ir à exposição egípcia, era basicamente o mais importante que eu queria lá fazer, não contava, sinceramente, cruzar-me com arte egípcia em Roma, mas... caros leitores.... eu deparei-me com arte/simbologia do antigo Egipto em todos os países desta aventura que visitei, em locais até onde menos se esperava, que eu não estava nada a contar, acreditem, e depois vão ver! Aconteceu até há um par de fins-de-semana atrás, quando fui a Belém me ter deparado com uma referência ao antigo Egipto por lá, mas isso é outra história depois destas histórias, só sei que estão em todo o lado na minha vida! Tenho de ir ao Egipto... Ah, pois tenho! :P

Santissima Trinità dei Monti ou Igreja da Santíssima Trindade dos Montes (em francês: La Trinité-des-Monts), frequentemente chamada apenas de Trinità dei Monti, é uma igreja titular renascentista de Roma, Itália. Ela é conhecida principalmente pela sua localização, logo acima das Escadarias da Praça da Espanha, que levam da igreja, no alto, até a Piazza di Spagna. A igreja e os arredores (incluindo a Villa Medici) estão sob os cuidados da França.
O cardeal-presbítero protetor do título da Santíssima Trindade no Monte Pincio é Philippe Barbarin, arcebispo de Lyon. In Wikipédia.
Fui barrada à entrada quando tentei entrar na Santissima Trinità dei Monti, que é a igreja que está no topo da escadaria de Espanha, por um homem que não se sabia explicar e de simpático e inteligente nada tinha... Eu ia para entrar, muito bem da vida, pois sabia que era gratuito, e o homem meteu-me o braço à frente. Pensei que fosse para esperar que os que estavam à minha frente acabassem de entrar, depois, sem ninguém à minha frente, lá tentei eu novamente e o gajo, um bruto trombudo, a meter-me o braço à frente, sem mais explicações!

Ora... eu tenho um feito um bocado especial, mas eu até estava bem disposta, no entanto, devido aos modos brutos dele, virei-me, em português (pois quando estou chateada, só falo português e se for preciso vêm as asneiras todas do cartório e ainda invento mais algumas pelo caminho), e perguntei: "Tão pá!?"

O gajo a fazer sinais, para os meus ombros e a abanar os braços, tipo parecia que ia levantar voo, e eu tipo... "Será que o gajo quer que eu tire a mochila?", eu tirei a mochila e mostrei-lha, estava quase vazia, tinha deixado quase tudo no quarto e trazia só mapas e a carteira, água e mais um par de coisas (power bank e medicamentos), e mesmo assim, nada!

As perguntas da praxe:
- parla inglese? - Nada.
- parla portoghese? - Nada.
- parla spagnolo? (nem que seja por trabalhares no raio da escadaria espanhola!!!!)? - Nada

Aí,  já me saltou o bom português, com alguns "ai o ****, mas tu queres ver??!!"

Ao que  um bom samaritano que estava lá se deu conta daquela situação e me disse, num inglês meio inventado mas simpático, que eu não podia entrar de braços descobertos...

Ora, eu por acaso já tinha lido assim de viés nas minhas pesquisas que não se podia entrar de pernas e pés descobertos, de vestidos e saias e assim em alguns locais religiosos, mas eu ia toda coberta, calças de ganga boca de sino, ténis, uma camisa de cavas largas, que cobrem a maior parte dos ombros, já fui especificamente bem preparada e o mais confortável possível, mas por se ver a maior parte dos braços, já não deu, mas pronto, respect....

E claro, eu que ando sempre (SEMPRE!), até no verão, com uma camisita a fazer de casaco, pelo sim pelo não na mochila, uma que não pesa nada, dobra-se até ficar no tamanho a palma de uma mão, naquele dia não a tinha! Como eu queria limitar à última grama o peso da mochila, tinha-a deixado no quarto...

Como é possível, sendo que este não foi o único caso que apanhei em Roma, pessoal que trabalha em pontos turísticos e nem, no mínimo dos mínimos, inglês fala? Como? Ma come è possibile??


Pois, fiquei-me pelas vistas....


Flores, flores, cores por todo o lado... Adoro!


E as vistas...


Eu aqui, nem sabia para onde estava a ir, mas vi uma sombrinha e aproveitei, porque eu já estava a derreter... Agora sei que estava na Viale della Trinità dei Monti.


Aqui, já só me servia do mapa para me abanar, porque não me estava a servir para nada...


Viale del Belveder, excelente ponto para ver belas vistas...


Quando dei por mim, estava na Villa Medici....
Villa Medici (atualmente, sede da Academia Francesa de Roma) e a Villa Borghese, o terceiro maior jardim da cidade. Um passeio por essa mancha verde revela um lago decorado com um jardim e um templo dedicado a Esculápio, deus da Saúde e da Medicina. In apróximaviagem 

Aqui, encontramos centenas de estátuas e bustos dos grandes mestres, os "maiores" de Itália...




É um local lindíssimo para descansar, relaxar e para fazer um piquenique.


Leonardo da Vinci!! Oh meu amigo, como eu te adoro, anda vá para a selfie!!! :P



Ah, outra coisa que eu ainda tinha na mochila era o lanche que a minha avó tinha feito para o pequeno-almoço. Eu nesta altura ainda nem tinha almoçado, tal era a emoção de andar por ali, e tinha mastigado algo dentro do avião, e como não via em lado nenhum aqui para comer e agora sim, com o cansaço já começava a bater a fome, sentei-me neste jardim e comi a merenda que a minha avó tinha preparado, uns croissants mistos e já não me lembro mais o quê...

Como vocês vão ver mais adiante por estes posts fora sobre as minhas férias, e até mesmo sobre outras visitas, eu sou fascinada por jardins, pura e simplesmente adoro, jardins e fontes, então se for um jardim com fontes...


... ainda melhor! Prefiro sinceramente comer estilo piquenique do que em restaurantes, e foi sempre o que tentei fazer, quando possível.


Só agora vi, a pesquisar informações históricas sobre os locais que visitei para partilhar convosco a imensidão destes jardins! Andei lá uma boa hora, e não vi nem 10%! Para a próxima, vou melhor preparada :)

Monte Pinciano
Monte Pinciano ou Píncio (em latim: Mons Pincius; em italiano: Pincio) é uma das colinas de Roma, localizada ao norte do Quirinal e a leste do Campo de Marte. Diversas villas e jardins ocupam ainda hoje o local. Da Piazzale Napoleone I, no alto da colina, é possível obter um amplo panorama da Piazza del Popolo e do rione Prati, uma região que até o final do século XIX era conhecida como Prati di Castello.
A vista também se estende para o norte a partir da Cúpula da Basílica de São Pedro até o Monte Mário, para o noroeste até o Janículo e para o sudoeste, no horizonte, os arranha-céus do Eur, o que torna o Pinciano um dos melhores locais da capital para apreciar belas vistas. Por conta disto, em algumas cidades italianas foram criados parques panorâmicos com o nome de Pincio. In Wikipédia
Na era da Roma Antiga, muitas famílias romanas ricas mandaram construir as suas villas e jardins no Monte Pinciano, daí que tenha sido apelidado "Monte dos Jardins". Os jardins que hoje se podem visitar foram concebidos no século XIX por Giuseppe Valadier.
Hoje em dia, os jardins são um lugar popular de onde se pode desfrutar de vistas deslumbrantes sobre Roma (por exemplo, a Piazza del Popolo, que está localizada nas proximidades). É um lugar tranquilo e calmo. Um momento ideal para visitar os jardins é ao pôr-do-sol quando a vista é mais espectacular.
A estação de metro mais próxima é Flaminio (linha A). In travel.sygic


Até já me sentia com outro ar, depois de descansar as pernas, comer e beber à sombra e me orientar e organizar novamente o meu itinerário...



Há pessoal mascarado ao estilo Roma antiga, para sacar uns trocos aos turistas por umas fotos... :P


Aqui têm uma casa de banho, que para ser usada têm de pagar 1€. É daquelas que têm "porteiro", por assim dizer, são controladas, logo asseadas. No entanto vez nenhuma paguei para usar a casa de banho, lembrem-se que estas minhas viagens foram super lowcost, por isso desenrasquei-me sempre, como vos vou mostrando nestes posts das minhas viagens, em casas de banho controladas, mas gratuitas.



Infelizmente não o pude ir visitar, por ser pago...


Piazza del Popolo
Uma praça neoclássica e uma das praças mais visitadas de Roma. Do lado norte, entra pela Porta del Popolo ("Porta do Povo"), que já foi chamada Porta Flaminia e era um portão da Roma Antiga.
A praça anual foi desenhada por Giuseppe Valadier entre 1811 e 1822. No meio da praça há um obelisco egípcio que é um dos mais antigos e mais altos obeliscos de Roma.
Há também duas igrejas gémeas - Igreja de Nossa Senhora dos Milagres e Igreja de Nossa Senhora do Monte Santo que foram parcialmente desenhadas por um famoso escultor e arquitecto barroco italiano - Gian Lorenzo Bernini. In travel.sygic


Obelisco Flamínio é um dos treze obeliscos egípcios antigos em Roma, localizado na Piazza del Popolo. Com 24 m de altura, sua altura chega a 36.50 m contando com a base e a cruz no topo.
O meu segundo encontro com o meu adorado Egipto... Fiquei deslumbrada...


E pronto, mas onde eu queria mesmo ir era até ao Coliseu, por isso lá peguei eu no mapa e meti-me a caminho




Se tivermos atenção aos sinais, e a sorte de os encontrar, pois não estão propriamente à mão de semear, chegamos bem a todo o lado mesmo sem mapa...




ISTO é o que deviam de ter lá em cima, na Santissima Trinità dei Monti, assim eu tinha percebido logo!



Estão a ver? A Via del Corso não é só para os ricos... ;)




Coluna de Marco Aurélio (ou Coluna Antonina) Piazza Colonna
Esta coluna foi construída em 180 D.C., após a morte de Marco Aurélio, para celebrar a vitória sobre os bárbaros. Na coluna foram gravados relevos que contam as batalhas e as vitórias obtidas pelo exército romano e por Marco Aurélio.
A coluna Antonina situa-se na Piazza Colonna. A base desta coluna está envolva em inscrições, datadas do século XVI, que afirmam que terá sido erigida por Marco Aurélio (daí ser também conhecida como Coluna de Marco Aurélio) como celebração das vitórias na Arménia, Pérsia e Germânia, tendo sido dedicada ao seu antecessor Antonino Pio. Sabe-se agora que, no entanto, foi erigida por Cómodo, filho de Marco Aurélio, para celebrar as vitórias do pai.
Em 1589, o Papa Sisto V restaurou a coluna, tendo esta sofrido alguma cristianização ("ab omnia pietate expurgata") com a adição no topo da estátua de São Paulo. In profeloarte

Yah, este tipo de lojas anda por ai... Na boa, e vendem das cenas mais estranhas, tipo chupa chups, sumos, roupas acessórios, etc... Tudo relacionado...



Creio que este é o Tourist Infopoint MINGHETTI, Via Marco Minghetti (Via del Corso), mas agora não tenho a certeza, pois deveria de ter tirado o nome da rua, mas na altura não me lembrei disso...

Aproveitei que vi o posto turístico, e fui logo tentar arranjar um mapa melhor do que o que eu tinha, um sacado da net.


Foi aqui que eu fiquei com a certeza de que os mapas estavam "ao contrário". Os outros que eu tinha e usei no reino unido eram "normais", se o mapa dizia que estava no lado esquerdo, é porque estava, e vice versa, não como estes em que eu para me orientar os tinha de meter de pernas para o ar....


Mas lá acabei por vir dar a um dos locais que queria visitar, ao icónico Monumento Nazionale a Vittorio Emanuele II...



Monumento Nazionale a Vittorio Emanuele II 
O Monumento Nazionale foi inaugurado em 1911 para homenagear Vittorio Emanuele II, primeiro rei da Itália depois da unificação.
No seu interior estão o Instituto para a História do Ressurgumento e o Museu Central do Ressurgimento.
Desde 1921, o Monumento abriga a tumba do soldado desconhecido, um lugar onde brilha a chama eterna e que está sempre custodiado por dois soldados. In tudosobreroma
Sobre o Monumento Nazionale a Vittorio Emanuele II vou falar noutro post à parte, pois tem muito que se lhe diga...

Posso adiantar-vos que a visita é gratuita, é gira e informativa, e se estiverem numa altura em que precisam de "mudar a água às azeitonas", o toilet é gratuito, controlado por uma pessoa que só deixa entrar uns à vez, são limpas e organizadas.


E posso adiantar-vos que as vistas lá de cima são lindas, e foi aqui que eu descobri que, FINALMENTE, estava ao pé do Coliseu! Olhem ele lá ao fundo, mais do lado direito!
Então comecei logo a andar em direcção a ele.


Foro di Traiano
O Fórum de Trajano era uma praça grande, concluída e aberta para uso público em 112 d.C. como o último dos grandes fóruns imperiais. Apesar de não restar muito do fórum, hoje em dia, ainda vale a pena a visita. Vagamente ligado ao fórum, está um mercado, cujo edifício é comummente atribuído ao mesmo imperador, Trajano. Uma grande parte do mercado sobreviveu até aos nossos dias. Serve de lar ao Museu dos Fóruns Imperiais que mostra como seria o dia-a-dia na Roma Antiga.
No auge da sua glória, o complexo do Fórum de Trajano era tão grande que, para haver espaço para a sua construção, partes das colinas à volta tiveram que ser cortadas. Foi sobretudo usado para receber cerimónias públicas, bem como um local de descanso e de encontro para os romanos. Havia até uma biblioteca, de cujo andar podia ver a Coluna de Trajano, com os seus 35 metros e também parte do fórum, de um outro ponto de vista.
Toda a zona fica a apenas 25 minutos da estação de autocarros Termini. In travel.sygic




Foro di Augusto
O fórum foi construído para abrigar um templo dedicado ao deus Marte (o deus da guerra) e foi usado para abrigar estandartes e várias parafernálias para batalhas. Também abrigou mais de 100 estátuas de deuses e da nobreza romana. A maior e mais grandiosa foi naturalmente a do próprio Augusto. In Tiqets





Sim, estão mesmo a ver o "homem invisível"... Está fantástico! Eu tive de me aproximar bem para tentar perceber onde o gajo tinha a cabeça, mas está mesmo bem feito, e também não me quis aproximar demais, não fosse o gajo ter algum movimento que eu não tivesse à espera, e depois é que ele ainda ficava mesmo sem cabeça, porque eu tenho reacções imprevisíveis quando me assustam! xD


Campitelli é um dos vinte e dois riones de Roma, oficialmente numerado como Rione X, localizado no Municipio I. Com menos de mil habitantes, é o rione menos populoso de Roma. Por sua localização central, estão em Campitelli alguns dos mais importantes museus, sítios arqueológicos e instituições de Roma, com pouco espaço para residências. Seu nome é uma referência ao "Capitólio" (em italiano: Campidoglio), local dos mais importantes templos da Roma Antiga, como os da Tríade Capitolina: o Templo de Júpiter Capitolino, o Templo de Juno e o Templo de Minerva. In Wikipédia







Ah, outro posto de informação turística, ao pé do Coliseu! Decidi ir até lá, ver se havia mais mapas ou folhetos orientativos...



Aqui tirei foto a tentar apanhar os preços para vos mostrar, mas como a maior parte das fotos tirava sem sequer olhar, pois eu queria tirar fotos, mas também não queria estar só focada nisso e queria ver e viver o que estava à minha volta, nem reparei que os preços ficaram, por uma coincidência enorme, tanto tapados pelas grandes como pela planta, que pontaria!

A maior parte das fotos que estou aqui a partilhar convosco, estou a vê-las pela primeira vez, pois eu nem olhava para o ecrã quando as tirava...:P




Aqui têm outra toilet, a pagar...


Isto já sou eu dentro do posto de informações turísticas...


Lá consegui o que pretendia, desenrascando-me sozinha. Sim, caros leitores, isto é um posto de INFORMAÇÃO TURÍSTICA, e a funcionária que me atendeu NÃO FALAVA inglês, nem espanhol, nem português, nem francês, nada!! Só falava Italiano!! COMO É POSSÍVEL????!!!

Quem é que trabalha num posto de informação para turistas e não fala as línguas dos turistas? Credo... E não só não falava, como foi rude e bruta o raio da mulher, detestei o atendimento...


Ainda por cima... quanto mais eu me aproximava do Coliseu... mais o Coliseu... encolhia... sim... parecia que quanto mais eu me aproximava, mais pequeno ele ficava...


Eu bem vos disse que ia começar a aparecer referências egípcias em todo o lado... Mesmo onde eu menos esperaria...


Finalmente lá cheguei! Mas... digo-vos sinceramente que eu pensei seriamente se aquele seria mesmo o famoso Coliseu, não podia ser só aquilo... consultei os mapas manhosos, os nomes das ruas,  mas os sinais assim diziam, aquilo é o Coliseu... muitooooooo mais pequeno do que eu tinha imaginado... Lá comecei eu a andar à volta, a ver se havia algum ponto onde me pareceria maior...


Adorei esta calçada! Eu arrisquei e fui pelas pedras maiores e originais, tive de andar a saltar de uma para outra, o que foi um bocado arriscado, porque era o que me faltava eu torcer alguma parte do corpo, mas tive cuidado e gostei. Para os menos aventureiros, têm o passeio no lado esquerdo, mais direito e seguro :)



Arco de Constantino
Um dos três arcos do triunfo em Roma e o maior dos arcos sobreviventes está localizado perto do Coliseu. Foi instalado em 315 d.C. para comemorar a vitória do Imperador Constantino na Batalha da Ponte Mílvia em 312 d.C.
Apesar do arco em si ter sido feito para este propósito, nem todas as suas partes são originais. As estátuas que o decoram foram originalmente colocadas no Fórum de Trajano. Também os medalhões de mármore que podem ser encontrados no arco foram tirados de alguns dos monumentos dedicados ao Imperador Adriano.
A entrada é gratuita e o arco está aberto ao público durante todo o dia. Também pode ser visto do Coliseu. In travel.sygic



Subi por aqui para ir para um pedaço de relva para poder contemplar o Coliseu...


Coliseu de Roma
O maior anfiteatro do Império Romano é imperdível quando em Roma. O Coliseu já foi palco de lutas de gladiadores, lutas de animais e até batalhas navais. O edifício era um presente do imperador Vespasiano para o seu povo e (ao contrário de hoje) a entrada costumava ser gratuita. Portanto, os jogos e as lutas eram muito populares. Construído e modificado sob o domínio da dinastia flaviana, o Coliseu continua a ser uma herança importante da antiga cultura romana.
Não só aparece em muitos filmes (por exemplo, "Férias em Roma" ou "Para Roma com Amor"), como também na famosa série de videojogos "Assassin's Creed".
Estando no centro da cidade, o Coliseu é facilmente acessível através dos transportes públicos - metro (linha B - estação: Colosseo), autocarro (linhas 75, 81, 673, 175, 204) ou eléctrico (linha 3). In travel.sygic

Aqui tive de me deitar um bocado para descansar e apreciar a vista, tentar imaginar o Spartacus e companhia ali dentro, ainda a tentar interiorizar que o Coliseu não era tão grande como eu estava à espera, mas depois de o ficar a contemplar, lá consegui desfrutar da sua essência e majestade...

Assim deitada, com a mochila a fazer de almofada foi como acabei por adormecer em jardins na Irlanda e na Escócia, o que escandalizou o pessoal amigo e família a quem contei, mas essa é uma história bem mais para a frente, neste caso não adormeci e nem fiquei deitada mais do que 5 minutos, no post seguinte, ainda sobre Roma, vem um dos meus locais preferidos que visitei em Roma, e só posso adiantar que tem a ver sobre... Gatos!

Ah! E gelados!! ;)

E caros leitores... Vou na segunda grande publicação desta minha viagem de dia e meio a Roma, e ainda só vou nas primeiras seis horas que lá estive!!! O que eu me fartei de andar!!

Ansiosos pela minha próxima aventura em Roma? ツ
Posts relacionados:

10 comentários:

  1. Adorei, espectacular, obrigado por esta publicação (todas)consegui viajar contigo através de todas estas fotos soberbas, significado dos locais com base na história e estou loucaaaaaaaa, lindo. lindo....
    Fiquei pasmada sobre o trânsito, desconhecia, são doidos. Também desconhecia que não se deve entrar em certos locais com partes do corpo descoberto, fiquei abismada pois pensei que só em certos países isso acontecia...
    Também imagino o Coliseu enorme, mas agora já me esclareceste.
    Ai tantos quilómetros em tão pouco tempo, coragem ufff!
    Mas que aventura fabulosa, tu és extraordinária.
    Pois só falam italiano, mas aqui em Portugal temos de perceber tudo e todos...
    As referências egípcias são magníficas, também sou fascinada sobre tudo o que diz respeito ao Egipto. Por isso já sabes próx viagem vais lá, quero saber tudinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelas palavras querida Tina, é mesmo isso que eu pretendo com estas publicações, que viagem comigo! :D

      Eliminar
  2. Adoro a língua italiana, parece um sussurrar cantado. E Roma é magnifica !!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo! :D
      Mas na questão da língua, se eles estiverem chateados ou exaltados, parece tudo menos um sussurro, mas é tão divertido!! xD

      Eliminar
  3. Isso é que foi calcorrear :) Mas tem que ser para se aproveitar ao máximo. Uma verdadeira aula de turismo/cultura. Muito bom. Gostei da chamada de atenção para os mapas (ao contrário). Quanto ao Coliseu, já tinha ouvido dizer que quando se lá chega, parece mais pequeno do que se esperava.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelas palavras! <3
      Pois eu nunca tinha ouvido dizer que é mais pequeno do que parece, nos filmes e nas fotos parece GIGANTE, e quando cheguei lá, comecei à procura "do resto" xD

      Eliminar
  4. Lindo, lindo! Que inveja desta viagem! Também gostaria muito de um dia viajar até Roma, conhecer alguns desses locais, experimentar a comida italiana (adoro massas), ouvir de perto a língua italiana (parece poética)... Espectáculo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, ainda falta a parte das comidas, que esta série de postes da minha saga de viagens ainda vai muito no início... vou falar dos gelados, das pizzas e das massas... Mal tenha tempo, que leva mais tempo a escrever sobre as viagens do que a viajar! loool =P

      Eliminar
  5. Nunca andei de avião, ainda!!! Talvez um dia consiga fazer uma viagem destas, quem sabe?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também nunca tinha andado, então numa semana andei 5 vezes, e só aos 30 fiz esta saga de viagens e conto fazer mais umas, e sozinha, por isso nunca é tarde ;)

      Eliminar

★ Todos os comentários são muito importantes, são o que dão vida a este blog. Obrigada por comentar e assim fazer parte deste espaço! ★
↧↧ ↧↧ ↧↧
✉ Para receber a minha resposta, clique ✔ em Notificar-me ☑