Um blog entre... As ruas das Caldas da Rainha | Da Praça da Fruta ao Terminal Rodoviário

12 de outubro de 2018

Visita a 06 de Outubro de 2018

Já leram a primeira parte deste meio passeio pelas ruas das Caldas da Rainha? Vamos então à segunda parte.

↪ Esta publicação está elaborada de forma a que: primeiro mostro a foto, e imediatamente abaixo faço os meus comentários, apresentações ou elaboro algum texto relacionado com a foto. A forma de ler esta publicação (e todas as minhas outras do blog) é: Foto - Texto - Foto - Texto, ... Podem clicar em cima das fotos para as verem maiores, com mais detalhe ↩


Andava eu já um pouco perdida pelas ruas das Caldas, quando fui dar com um mercado. Eu ADORO mercados, adoro a autenticidade, os cheiros, as cores, as pessoas, as conversas, e é nos mercados que apanhamos as pronúncias todas típicas da cidade onde o mercado se localiza, seja em que país for, é o que acontece, e eu adoro!

Também adoro o facto de podermos comer o típico das terras nos mercados, o que é uma excelente alternativa lowcost para mochileiros, como eu, uma alternativa tradicional, variada e até saudável!

Encontra-se sempre grande variedade de alimentos, fruta, muita fruta, vegetais, carnes, peixes, doçaria, bebidas, ... Um mercado deixa-nos sempre bem servidos, de alguma forma, e os mercados são o meu "restaurante" preferido nas minhas viagens...

E sabem uma característica maravilhosa deste mercado? Abre todos os dias!!!

Diariamente das 7h às 15h
Sábados das 7h às 16h
Encerra apenas dia 1 de janeiro e 25 de dezembro


A Praça da Fruta: Conta a lenda que a Praça do Rossio foi oferecida pela própria Rainha Dona Leonor aos Produtores Agrícolas da Região para aí venderem os seus produtos.
Apesar de não existirem registos históricos de tal oferenda, a verdade é que o Mercado de Rua Caldense, comumente denominado Praça da Fruta, funciona até aos dias de hoje no local primitivo onde iniciou a sua atividade durante o século XV. Todos os dias da semana as bancas coloridas são montadas, dando lugar ao único Mercado Diário ao Ar Livre em Portugal. Apesar de os hábitos dos produtores e vendedores se terem mantido durante seis séculos, muitas são as histórias que há para contar sobre o local que inicialmente se denominava de Rossio da Vila.
É sabido que o pólo atrativo inicial da Cidade de Caldas da Rainha foi o Hospital Termal de Nossa Senhora do Pópulo, mandado edificar pela Rainha Dona Leonor no ano de 1485. Para este lugar, doentes e banhistas de todo o País e Europa se veem dirigindo durante séculos para usufruir dos poderes medicinais das águas termais. Contudo, desde cedo o comércio desenvolvido no Rossio da Vila atraía a si produtores das zonas circundantes para venderem os seus produtos:” Tornando-se o centro de uma região agrária em crescimento, com bons campos para produções diversas, desde vinho, azeite e cereais até à preparação de lanifícios e ao arroteamento de terras para o cultivo dos mais variados produtos. Era também encontro de oleiros que ali se dirigiam para vender as suas peças de utilização doméstica “ (in Terras de Água, pág. 70) In: pracadafruta.pt




A Dinâmica: O dinamismo desta zona leva a que no ano de 1750 aí seja construído o primeiro edifício destinado ao “Passo do Concelho, Câmara, Cadeia e Assougues” fora do Hospital Termal, onde a Câmara Municipal vinha desenvolvido funções até então. Este novo espaço destinado às funções municipais foi mandado edificar pela Esposa de D. João Quinto, Rainha Dona Maria Ana. O novo edifício da Câmara Municipal marca efetivamente a separação física da municipalidade em relação ao Hospital Termal e reforça a importância regional do Mercado de Caldas da Rainha. Por esta altura já o Mercado Caldense, vulgo Praça da Fruta, se destacava por ser um pólo regional atrativo de produtores e compradores, sendo grande a abundância de géneros aí comercializados. A denominação de Rossio da Vila foi mantida até ao ano de 1887 quando lhe foi atribuído o nome de Praça Maria Pia.
Por esta altura, no ano de 1880 a Câmara Municipal inicia um vasto programa de obras municipais destinadas a ampliar a rede de esgotos e embelezar o Rossio. Assim, é construído o tabuleiro central com ondulados de basalto negro sobre fundo branco, identidade arquitetónica caldense, inaugurada no ano de 1883 e símbolo de um embelezamento progressivo da cidade, que lentamente prosperava com a vinda dos banhistas. Segundo historiadores caldenses, para além de dar lugar a um grande foco de comércio local, a Praça Maria Pia congrega nos seus edifícios as tendências da arquitetura urbana de Caldas da Rainha, desde as suas primeiras manifestações românticas. In: pracadafruta.pt


A cerâmica: A utilização da cerâmica local está também presente na Praça, na decoração das fachadas das lojas com revestimentos cerâmicos, que denunciam a influência da Arte Nova e constituem o cenário romântico onde diariamente é montado o Mercado. Com a Implantação da República a Praça Maria Pia passa a ser denominada Praça da República mantendo a mesma atividade e afluência de gentes, tendo sido recentemente recuperada pela Câmara Municipal com obras de embelezamento finalizadas a 10 de novembro de 2014.
O dinamismo da Praça da Fruta perdura até aos nossos dias simbolizando as múltiplas funções que os Mercados proporcionam às economias urbanas, constituindo-se como ponto de encontro da economia camponesa com o ciclo dos preços e o estímulo monetário, sendo um local para a circulação de mercadorias bem como de informações. Como nos dizem os Autores de Terra de Águas – Caldas da Rainha História e Cultura: “No mercado se trocam “novidades”, se combinam negócios, se discutem alianças, se aprazam casamentos.” (pág.382)
Diariamente, nas Caldas da Rainha, desde do século XV perante um cenário de edifícios Românticos e o colorido das Frutas e Vegetais da época.
 In: pracadafruta.pt




















Ao ver a hora de apanhar o autocarro a aproximar-se, comecei a tomar atenção às indicações...










Mercado do peixe. Não tive tempo para lá entrar, fica para uma próxima





Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha: O Centro Cultural e de Congressos Caldas da Rainha ou mais simplesmente CCC, é um espaço na cidade de Caldas da Rainha, destinado às actividades culturais e à realização de congressos.
Impressionante pelas suas linhas arrojadas e arquitectura vanguardista, conquista definitivamente o publico amante de todo o tipo de Cultura, através da programação cultural que tem sabido trazer, dentro dos limites condicionantes Sócio-Económicos, os melhores espectáculos e artistas de Portugal e do Mundo até ao Oeste.
A qualidade arquitectónica, aliada às mais avançadas soluções tecnológicas, cria uma conjugação de espaços perfeitos para as mais diversas manifestações não só artísticas mas também empresariais Nacionais e Internacionais. IN ccc.com.pt



Aqui chegada, eu já não sabia qual o sentido para voltar ao terminal... Não me parecia ser no sentido do CCC, mas já não me lembrava qual rua era... Então, vinha um senhor a descer, e já agora, deixem-me dizer que das pessoas que fui falando nas caldas, foi tudo pessoal muito simpático, e o senhor disse que a estação era precisamente ali em baixo! Ou seja, mesmo "perdida" lá me orientei bastante bem, pois fui parar ao que eu sentia ser o sítio certo, mas fui parar mais a cima, como eu não tinha estado tão acima não estava a reconhecer o sítio, mas fui parar à rua certa, e sem indicações prévias! Limitei-me a seguir os sinais...
YEY para mim!






E lá cheguei! E ainda com tempo antes do autocarro chegar!!

Como ainda não tinha comido o pequeno almoço, pois não levava trocos para comprar alguma coisa na Praça da Fruta (uma distracção minha, pois uma dica muito prática de viajar é andar sempre com uns trocos, para qualquer eventualidade onde os cartões não sejam aceites), entrei na "Capristanos" e pedi aos colaboradores para me recomendarem um bolo. 



Este foi o recomendado, mas já não me lembro do nome dele, se vocês souberem digam-me ai nos comentários, outro lapso meu, eu normalmente tenho sempre um bloco e caneta à mão para apontar estas informações, mas neste caso não tive vontade de estar a abrir a mala para tirar o bloco, e pensei que, quando me sentasse no autocarro me lembraria, mas não me lembrei... :P


É um café muito bonito...




Depois, pus-me a admirar os azulejos que enfeitam a estação, lá dentro...













O problema desta sala de espera, é o facto de, ao estar mesmo ao lado das portas automáticas, e em frente ser um túnel sem porta nenhuma, é uma corrente de ar que para aqui vai que eu sai logo, e preferi sentar-me lá fora...






Parecia-me que ia ser um bolo rijo, ou tipo folhado, mas não... A massa é tipo pão doce, e falando em doce, este é um doce mesmo, mesmo, mesmo doce, do chocolate à massa, é tão doce que quase me arrepiou os dentes... é delicioso, mas é mesmo doce!


E pronto, faltavam ainda uns cinco minutos para o autocarro chegar, então sentei-me a ler mais um bocadinho, a comer, ansiosa por chegar a Óbidos e conhecer, finalmente, a Vila Literária que tanto ouvi falar...

Gostaram deste meio passeio? :)

Em breve aqui no blog, a minha visita ao FOLIO e entre as ruas de Óbidos...

14 comentários:

  1. Mais uma excelente descrição do passeio. Adoro saber e descobrir coisas sobre as localidades (neste momento, ando a fazer umas pesquisas sobre umas ruínas aqui na minha zona). Quanto ao doce, não sei o nome :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, tens de me falar dessas ruínas! :D
      Eu hei-de acabar por descobrir o nome do bolo, acho que tenho nestas minhas milhares de fotos uma foto numa pastelaria em Óbidos que tem o nome à frente, mas agora falta dar com ela, se é que efectivamente tirei a foto, pois a maior parte das fotos eu tiro sem olhar para a câmara, pois assim também capto pormenores que a mim me escapam e descubro depois a rever as fotos, e só foco mesmo aqueles pormenores que acho fantásticos =P

      Eliminar
  2. O bolo é o pampilho, só que esse é com recheio de chocolate. O tradicional é com doce de ovo por dentro e na minha opinião bem melhor.
    Fizeste um retrato muito justo e interessante da vidade onde nasci e onde vivo desde sempre. Os Capristanos é o café mais antigo da cidade tirando o Central, que fica ao pé da Praça da Fruta. E o terminal rodoviário foi requalificado há pouco tempo - antes estava horrível!
    Ficou só para conhecer o que para mim é o melhor da cidade - o Parque D. Carlos. Fica para uma próxima!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo, o pampilho! :D

      Obrigada "miúda geek", por me ter recordado e pelas palavras, fico muito feliz por ter feito jus à tua cidade, e depois do que descobri quando andei a pesquisar sobre a história e vi tudo o que tem para oferecer, hei-de tirar um dia para dedicar às Caldas e visitar tudo quanto conseguir, especialmente esse jardim (e claro, a biblioteca!) =P

      Eliminar
  3. Adorei o mercado! Quero tanto visitar :-)

    ResponderEliminar
  4. Yey para ti!
    Gostei tanto deste mercado ao ar livre!
    Adoro mercados, apetece-me trazer de tudo um pouco, são os cheiros, sabores, cores, a troca de conhecimentos com outras pessoas, é fabuloso. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso mesmo! Eu sempre que posso também trago um pouquinho disto e daquilo, para poder provar um pouco de tudo! Até tenho uma história gira sobre isso em Itália, para o post que está à espera para ser escrito e publicado =P

      Eliminar
  5. Que bom é ter um mercado assim ao pé de casa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito bem que seja, eu adoraria ter, se tivesse, ainda mais este que há todos os dias, seria lá que faria a maior parte das minhas compras alimentares, sem dúvida :)

      Eliminar

★ Todos os comentários são muito importantes, são o que dão vida a este blog. Obrigada por comentar e assim fazer parte deste espaço! ★
↧↧ ↧↧ ↧↧
✉ Para receber a minha resposta, clique ✔ em Notificar-me ☑