Opinião: O Ano dos Prazeres | Elizabeth Berg

SINOPSE: Quando o marido de Betta morre, ela honra a promessa que lhe fez de se mudar para uma vila pequena e começar nova vida. Sem minimizar a sua grande dor, tenta, ainda assim, encontrar alegria no quotidiano. «O Ano dos Prazeres» é sobre encontrar consolo em coisas banais: um banho quente, boa comida, a beleza da natureza, a música, a arte. Acima de tudo, é sobre as várias gentilezas que as pessoas podem oferecer, e oferecem, umas às outras. A viagem que Betta faz da dor à alegria é uma inspiradora chamada de atenção para aquilo que todos temos ao nosso dispor, independentemente das circunstâncias da nossa vida. Sugere que, seja quem for a pessoa que perdemos, a vida pode continuar a dar muito àqueles que estão receptivos.

Já muito tinha ouvido falar desta autora, e aproveitei o facto de ser uma pechincha para me estrear, e foi uma excelente estreia! 

A emoção principal deste livro é o luto, o marido de Betta, o grande amor da sua vida morre e ela fica completamente desamparada... e porquê? Porque quando conheceu o marido, ainda jovens, submergiu na felicidade do casal e afastou-se de tudo o resto, amigas incluídas. Sendo eu uma pessoa que já cometeu esse erro - mas não foi por escolha, mas sim monopolização/chantagem de uma relação tóxica para não me dar com outras pessoas - senti bem na pele o erro crasso que isso é. 

Nunca vale a pena vivermos monopolizados por uma única pessoa, porque quando essa pessoa depois não está, o que sobra? Precisamos de bases na nossa vida, como uma casa - não pode ter um único pilar a suster toda a construção! Precisamos da família, amigos, a nossa individualidade, dos nossos gostos/objectivos pessoais, vário e diversos pilares para que nunca fiquemos sem pé. O que valeu à Betta é que o marido a deixou financeiramente estável, se não creio que esta personagem não tinha durado mais do que duas páginas...

Normalmente, quando me deparo com personagens femininas assim débeis, desisto da leitura, mas a narrativa está tão bem construída que me cativou. Depois da autopiedade do luto, vem a amizade, aliás, regressa. Através das redes sociais, Betta encontra as antigas colegas com quem partilhava casa quando andava na universidade, sendo que na altura eram amigas muito chegadas, até terem perdido o contacto.




E assim temos uma história que nos mostra que a idade não é impedimento para voltarmos a ser felizes, reatar amizades, fazer novas, termos novos sonhos e objectivos, viver! Gostei do balanço entre o drama e o humor, da honestidade da escrita - a própria Betta se assume como algo cobardolas - é uma leitura leve e inspiradora e fiquei com vontade de ler mais livros desta autora. 

👉🏻 Wook | Bertrand 👈🏻

Sem comentários:

Enviar um comentário

★ Todos os comentários são muito importantes, são o que dão vida a este blog. Obrigada por comentar e assim fazer parte deste espaço! ★
↧↧ ↧↧ ↧↧
✉ Para receber a minha resposta, clique ✔ em Notificar-me ☑

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.