Opinião: Vida de Adulta | Raquel Sem Interesse

Histórias para rir da triste vida de uma jovem precária sem paciência e sem dinheiro

SINOPSE: Quica é uma jovem igual a tantas outras. Trabalha demasiadas horas num emprego de que não gosta, tem dilemas existenciais, às vezes gasta mais dinheiro do que aquele que tem, gosta de sair à noite com os amigos, embora não adore a música de dança, tem um problema com fotografias (sofre do oposto da fotogenia) e diz algumas asneiras. O que começou como um projecto de curso transformou-se numa série de tiras que têm acompanhado a vida desta personagem cómica e, ao mesmo tempo, amorosa.

Este livro, além de compilar parte do trabalho e da vida ilustrada da Quica, tem toda uma série de histórias inéditas que marcam os trinta anos da autora e que procuram também ser uma amostra semelhante às vivências de uma geração e de todos aqueles que ainda estão a tentarperceber como é ser «adulto».

Adorei, adorei, adorei!! Haja imaginação e excelente sentido de humor, a personagem principal, Quica, é a minha caricatura, sem tirar nem pôr, este é daqueles livros que nos deixa logo bem dispostos e mesmo para aquelas pessoas que "não gostam de ler", o livro é todo "com bonecos", portanto apelativo e fácil de apreciar, dá tanto para todos os públicos, e eu, geração à rasca, 32 anos, estou aqui muito bem retratada!

Somos grandes apreciadores de piadas que expõem a realidade, do género: "tem piada porque é verdade, é mesmo assim!", e eu pessoalmente adoro sentir que sou compreendida, e que não é só a mim que me acontece determinadas situações bizarras, nem que sou só eu que acho determinadas situações estupidas e desnecessárias, mas que parece que toda a gente no mundo segue o mesmo rio e eu ando sempre contra a corrente!



Eu sou uma jovem adulta precária sem paciência e sem dinheiro, não sou casada, não tenho filhos, nem sequer carta e carro tenho, não tenho casa própria e vivo uma vida algo instável, pensei sinceramente que com esta idade teria a vida que é suposto ter, mas quem dita o suposto? Alguma regra social não escrita mas oficial? Porque é que toda a gente à minha volta parece ter uma vida adulta normal, e eu ainda me sinto uma adolescente? Será bom ou mau sentir-me assim? Sinceramente, a únia coisa que sinto que me falta é uma casa que possa chamar minha, e um emprego estável, porque de resto nem me posso queixar, tenho bastante liberdade, não penso casar-me nem ter filhos, e só a nível profissional tenho de refrear quem sou, de resto sou sempre eu, e só me dou com quem realmente vale a pena e me aceita como sou e compreende, por isso não me posso queixar muito, apesar de me queixar muitas vezes de muitas coisas, coisas essas que a maioria está retratada neste livro que me arrancou gargalhadas a torto e a direito.

Leiam o livro, trintonas instáveis do mundo, leiam que vão sentir-se compreendidas, apreciadas e no mínimo, ganham um sorriso no rosto por umas horas, o que sempre alivia "aquela" angústia do dia a dia (ღゝ◡╹)ノ♡

👉🏻 Wook | Bertrand 👈🏻

Sem comentários:

Publicar um comentário

★ Todos os comentários são muito importantes, são o que dão vida a este blog. Obrigada por comentar e assim fazer parte deste espaço! ★
↧↧ ↧↧ ↧↧
✉ Para receber a minha resposta, clique ✔ em Notificar-me ☑