Opinião: As Feministas Também Usam Soutien

Textos de mulheres e homens que não têm medo da igualdade
SINOPSE: Um livro com textos e ilustrações de 26 mulheres e homens que não têm medo da palavra feminismo.
Merda. Porra. Feminismo.
Apenas duas destas palavras são feias. Pista: nenhuma começa pela letra F. No entanto, em pleno século XXI, Feminismo continua a soar a asneira, a coisa feia, a capricho, a ódio e a preconceito. Uma palavra que soa a machismo, mas ao contrário, e que, porém, nada tem que ver com isso. Feminismo é liberdade. Feminismo é um direito humano.
26 pessoas - mulheres e homens - que não têm medo de se assumir feministas (nem de dizer asneiras) escreveram e desenharam sobre o tema, alguns com histórias pessoais, outros com pequenas reflexões, outros com poemas e canções e odes. Este livro tem de tudo - como na farmácia, dirá o leitor mais entendido em chavões populares.
Com este livro, queremos, de uma vez por todas, igualdade de direitos.


Que força, que poderio, que adrenalina ler este livro! Mulheres que se sentem minimizadas, descriminadas e mal compreendidas, eis uma leitura que nos liberta, que nos faz sentir aceites, que parece que nos lê ao invés de sermos nós a ler, que nos aconchega o coração... não estamos sós nestes sentimentos que nos arrebatam.

Felizmente, comparando com muitos países em pleno século XXI, em que as mulheres ainda são tidas como verdadeiros objectos, sem direitos nenhuns, mera mercadoria, e por vezes ainda pior, em Portugal a evolução foi grande, ainda temos um longo caminho a percorrer, mas estamos, até ver, num bom caminho. 

Em questão de violência doméstica e assassinatos de mulheres pelos seus cônjuges, ainda somos uma grande vergonha e no dia-a-dia o sexismo e machismo chega a ser sufocante, por isso... sim, estamos num bom caminho, mas caramba... ainda falta tanto!




Esta é uma leitura brutalmente honesta, sem papos na língua - como eu gosto! - adoro a forma como influentes homens e mulheres abordam aqui o tema feminismo, especialmente de forma tão intimista, é uma leitura incrível, inspiradora, divertida e transmite-me esperança, de que efectivamente estamos no bom caminho.

👉🏻 Wook | Bertrand 👈🏻

2 comentários:

  1. oh pah, porra não é asneira. Dicionariamente porra significa: Pau comprido e arredondado mas o seu uso corriqueiro é utilizado como uma interjeição de desagrado ou espanto. Eu sou fã do porra.
    No entanto não sei se sou feminista, eu acho que nem sou machista nem feminista, mas eu sou estranha portanto...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As asneiras de que aqui falo não é só o "porra", esse é capaz de ser a expressão mais soft deste livro :P
      Desde que sejas a favor da igualdade para todos, não precisas de te auto-intitular feminista, nem nenhuma outra coisa, para mim é mais importante uma pessoa ser justa e integra, eu como luto pela causa feminista e o activismo que envolve, além de adorar a causa em si, considero-me feminista :)

      Eliminar

★ Todos os comentários são muito importantes, são o que dão vida a este blog. Obrigada por comentar e assim fazer parte deste espaço! ★
↧↧ ↧↧ ↧↧
✉ Para receber a minha resposta, clique ✔ em Notificar-me ☑