Opinião Filme: Drácula: A História Desconhecida

Título original: Dracula Untold | De: Gary Shore | Com: Luke Evans, Dominic Cooper, Samantha Barks, Sarah Gadon | Género: Drama, Fantasia | Classificação: M/16 | EUA, 2014, Cores, 92 min.
SINOPSE: Ano de 1462. Depois de anos sob a governação de Vlad III, a Valáquia vive momentos de paz e tranquilidade. Mas tudo muda quando Maomé II, sultão do Império Otomano, a invade e exige que os rapazes de todas as idades sejam retirados às suas famílias para se tornarem soldados. Entre as crianças está Ingeras, o filho de Vlad. Para defender a sua família e o povo que nele depositou toda a sua confiança, o príncipe tem de encontrar forças para derrotar o inimigo. Mas, para que isso seja possível, terá de aceitar ajuda de um poderoso demónio que, em troca de poderes sobre-humanos, o transformará num perigoso monstro sedento de sangue...


Se há coisa de que gosto é de vampiros... panca esta que tenho desde que me lembro que existo, não me lembro de existir sem ter esta paixão enorme por vampiros! No entanto, na literatura, após os livros de Anne Rice, o vampirismo desceu de qualidade de uma forma exorbitante, ultrajante até, e o mesmo aconteceu ao cinema e séries com vampiros... horrível... horrível...

Comecei a ver este filme sem expectativas nenhumas, especialmente tendo em conta que ia referir uma das personagens históricas que mais me fascina, Vlad III, conhecido como Vlad Tepes (Empalador) e Vlad Drakul - em romeno: Vlad Drăculea (que significa dragão, que era uma ordem secreta), nome esse que Bram Stoker se inspirou para o nome "Conde Drácula" para o seu livro - do qual não sou fã, já agora...

A história de Vlad é fascinante, ele foi um bom líder para o seu povo, chegando até a ser tido como herói, curiosamente, era muito adicto e fiel à Igreja Ortodoxa, apesar de ser famoso como  sendo uma personagem horrível, um verdadeiro monstro, mas se estudarem a sério a história dele vão ver que não é bem, bem, bem assim, - mas que era cruel e torturador, era, até mesmo psicopata! Mas era também um excelente estratega e muito inteligente, a única personagem que merece verdadeiramente a fama que tem é a que chamam de "Condensa Sanguinária" ou mesmo "Condensa Drácula" - Elizabeth Báthory, essa sim, era mesquinha, cruel como o diabo, filha dum raio, e adicta ao sangue - e em tomar banhos dele - e artes obscuras manhosas. Já li um livro com a biografia da Elizabeth Báthory, que apesar de tudo também me fascina -  do Vlad nunca descobri livro nenhum, infelizmente, mas enquanto que pelo Vlad tenho alguma admiração, pela Elizabeth Báthory é pura curiosidade mórbida, pois garanto-vos, ela era mesmo reles!

TRAILER

Relativamente ao filme, está brutal! Brutal, brutal, BRUTAL!! É um dos meus preferidos de SEMPRE, honra tanto uma pequena parte da história do Vlad, no contexto histórico Turco / Otomano, com alguns - poucos, factos históricos - como principalmente honra o verdadeiro vampirismo, e consegue honrar o mito de ambos de uma forma brutal, com efeitos especiais lindos, com um enredo com muita acção, actores excelentes, com muito suspense, lutas, guerras, amor, paixão, amizade, lealdade, fraternidade, o factor sobrenatural, fabuloso! Soberbo, fabuloso! E se já é díficil eu me sentir assim com filmes, tanto que cada vez mais, os filmes que vão saindo ultimamente menos me entusiasmam, para eu - fanática pelo vampirismo - dizer que é um verdadeiro filme de vampiros, que os honra, é porque é!

So-ber-bo!

«O meu pai era um grande homem. Um herói... 
Mas por vezes, o mundo não precisa de um herói. 
Ás vezes o mundo precisa... de um monstro»

2 comentários:

  1. Sabes o que descobri depois de ler Dracul? É que o Vlad e o Drácula são personagens totalmente diferentes e que não... não têm nada a ver um com o outro como se pensa. Foi Hollywood que transformou o Vlad em Drácula e não Bram Stoker. E concordo plenamente ctg, sou fã de vampiros desde o conde de Contar da Rua sésamo, apaixonei-me por Lestat aos 11 anos e Anne Rice é divinal, mas estes pseudo vampiros que apareceram depois cheios de mel e protector solar não são nada de interessante. Mas lê Dracul... este filme, já o tive gravado na box para ver, mas depois não tive tempo e ainda não vi lol..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "vampiros que apareceram depois cheios de mel e protector solar " ʱªʱªʱª(ᕑᗢूᓫ∗) LOL!
      Para mim, a rainha do vampirismo será sempre a Anne Rice! Não há ninguém no mundo que capte a essência vampírica como ela!

      Eliminar

★ Todos os comentários são muito importantes, são o que dão vida a este blog. Obrigada por comentar e assim fazer parte deste espaço! ★
↧↧ ↧↧ ↧↧
✉ Para receber a minha resposta, clique ✔ em Notificar-me ☑