Opinião: A Fábrica de Bonecas | Elizabeth Macneal

Bola de Berlim vegan Bernileta - Gare do Oriente, de spirulina!

A liberdade é uma coisa preciosa.
SINOPSE: Uma história inebriante sobre uma mulher que sonha ser artista e o homem cuja obsessão pode destruir o mundo dela para sempre.
Londres, 1850. O edifício que albergará a Grande Exposição está a ser construído em Hyde Park. No meio da multidão que ali se junta, duas pessoas encontram-se por mero acaso. Para Iris, uma aspirante a artista, aquele é apenas um encontro efémero, esquecido passados poucos segundos. Mas para Silas, um colecionador fascinado por coisas estranhas, aquele momento marca um novo começo…
Quando Iris é convidada a posar como modelo para Louis Frost, um pintor pré-rafaelita, ela aceita, com a condição de que Louis também a ensine a pintar. De súbito, o mundo de Iris transforma-se numa experiência dominada pelo amor e pela arte, indo além de tudo aquilo com que sempre sonhou.
Só que o mundo de Iris pode ruir a qualquer momento, pois Silas só consegue pensar numa coisa desde o primeiro encontro de ambos. E a sua obsessão torna-se cada vez mais sombria…


Bem.... que livro absolutamente... perturbador! Muito bem escrito, sem dúvida, interessante, fácil de ler, mas... sinceramente perturbador... fez-me lembrar imenso o ambiente na leitura de Frankenstein... também me fez lembrar imenso o ambiente de Charles Dickens, por isso é uma mistura dos dois...

Antes de mais, friso o quanto eu amo os livros (séries, filmes) passados na época vitoriana, que, apesar de ter sido uma época da treta para o século feminino, tal como os anteriores desde D.C, para mim, foi uma época carregada de estilo e de drama, e se há coisa que eu gosto, é de estilo e drama!

No entanto, durante quase toda esta leitura, que até foi uma leitura rápida, foi quase sempre com um sentimento de inquietação, quase como se eu também estivesse a ser perseguida, como a personagem Iris foi pela personagem "stalker much?" Silas, perseguidor, obsessivo compulsivo, um taxidérmico com verdadeiros problemas psicológicos, que é viciado em criaturas defeituosas, como cachorros com duas cabeças e similares, que ele considera fascinantes, sendo que também aprecia os defeitos congénitos em humanos,  ...

Neste livro, acompanhamos a história de duas gémeas, Iris e Rose, que trabalham numa loja de bonecas cuja dona é uma verdadeira  megera, onde Iris pinta as bonecas,  e Rose costura os seus vestidos e inúmeros detalhes que as enfeitam... devido a ter contraído varíola, Rose fica com o rosto quase desfigurado, tornando-se terrivelmente invejosa e ressentida com Iris, que é integra e sonhadora... acompanha-nos também nesta narrativa também o querido (mas um pouco mórbido) e muito jovem Albie, e o torturado e e incompreendido pintor pré-rafaelista Louis Frost, entre outras personagens que completam este drama mórbido e perturbador.

Para quem gosta de leituras mais para o estilo gótico e noir, vai gostar deste livro, que tem também uma dose de thriller, mistério e suspense, com um toque de romance e erotismo, sendo um fiel retrato de Londres vitoriana, quando o mundo estava a mudar, repleto de inovações e invenções, a revolução industrial, novas artes a nascer, e o precário equilíbrio entre a exuberante riqueza e extrema pobreza carregada de miséria...

Quem gostar deste livro, vai gostar desta série (e vice-versa).


2 comentários:

  1. Também gosto de livros passados nessa época. É quando são românticos ou eróticos melhor! Eheh

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, o romance nesta época tinha muita classe e estilo, assim até eu os leio, mas fora isso dispenso bem esse género.. ꐦ

      Eliminar

★ Todos os comentários são muito importantes, são o que dão vida a este blog. Obrigada por comentar e assim fazer parte deste espaço! ★
↧↧ ↧↧ ↧↧
✉ Para receber a minha resposta, clique ✔ em Notificar-me ☑