Um Blog entre... As Ruas da Nazaré | Do terminal rodoviário à Biblioteca de Praia da Nazaré

13 de outubro de 2018

Em Agosto, salvo erro, pois já não me lembro precisamente do dia, fui visitar a biblioteca municipal da Nazaré, mas aproveitei também para passear pelas suas ruas, como aqui vão poder ver...

↪ Esta publicação está elaborada de forma a que: primeiro mostro a foto, e imediatamente abaixo faço os meus comentários, apresentações ou elaboro algum texto relacionado com a foto. A forma de ler esta publicação (e todas as minhas outras do blog) é: Foto - Texto - Foto - Texto, ... Podem clicar em cima das fotos para as verem com mais detalhe ↩



Lá apanhei eu o autocarro interurbano no terminal rodoviário de Leiria, para a Nazaré...


Mal eu vejo esta vista, sei que já estou mesmo a chegar...


A paragem fica a pouquíssimos metros da praia, basta seguirem em frente, em direcção ao mar...


... sempre em frente...


Pode ser que passem por esta feira... Coincidência ou não, sempre que lá vou, esta feira também lá está, tentei pesquisar a ver se se realiza todos os dias, mas não encontrei essa informação, por isso, se vocês souberem, digam-me! ;)













Basta andar sempre em frente, que vão lá ter...

A Praia da Nazaré é de ocupação humana relativamente recente. As primeiras referências sobre a pesca na Nazaré datam de 1643, no entanto, só no início de oitocentos a população se começou a fixar no areal. A zona actualmente ocupada pelo casario, era, à época, ocupada por dunas litorais que seriam recortadas, a montante, pela foz do rio Alcoa, que ia desaguar muito a norte da actual (a sul do Porto de Pesca), tendo as várias alterações do leito do rio contribuído para a diversificação da geologia local. Os pescadores locais habitavam, sobretudo, nas partes altas – Sítio e Pederneira – dado que os constantes ataques dos piratas argelinos e holandeses tornavam o areal pouco seguro. Só no séc. XIX, posteriormente às invasões francesas, é que se reuniram condições de segurança necessárias à fixação dos pescadores junto à praia. A Nazaré começou a ser conhecida e procurada, como praia de banhos, em meados do século XIX. A sua beleza natural e tipicismo desde sempre atraíram os visitantes. A pesca, a transformação do pescado e a sua venda, foram ao longo de quase todo o século XX, as principais actividades da população. A dureza e perigosidade da vida do mar levaram muitos pescadores a procurarem uma vida melhor noutras paragens. A construção do Porto de Pesca e Recreio, no início da década de oitenta, veio alterar e melhorar a vida dos pescadores, iniciando uma nova fase no quotidiano da vila. Na década de 60, o Turismo descobriu o encanto desta vila e a Nazaré começou a ser conhecida internacionalmente. Visitada anualmente por milhares de turistas nacionais e estrangeiros, a Nazaré é hoje uma vila moderna e sempre animada. Percorrer as suas ruas estreitas e perpendiculares ao mar, é descobrir um modo de vida peculiar e autêntico, onde as surpresas espreitam a cada esquina. Beleza, memórias, charme e tradições fazem da Nazaré a mais inesquecível das praias portuguesas. In cm-nazaré















Indicaram-me que, para chegar à biblioteca de praia, tinha de ir em direcção ao elevador/ascensor da Nazaré, então assim fiz....






Para vos dar uma ideia dos preços e dos menus...









Nazaré no verão é carregada de vida e de cor... :)




E cheguei! No próximo post, continuação deste vou mostrar-vos um pouco desta biblioteca, da praia e mais algumas fotos das ruas da Nazaré...


Um livro sobre a Nazaré, passado na Nazaré, e do qual eu li parte na Nazaré, é o livro da Isabel Ricardo, "A Revolução da Mulher das Pevides", não imaginam o intenso que é ler as partes passadas na Nazaré, as suas gentes, a forma de falar, a pronúncia tão explicita no livro, lá no local, onde podemos ler as descrições dos locais, levantar os olhos do livro, e olhar para esses mesmos locais, com os nossos olhos... é indescritível...

E vocês? Já foram à Nazaré? São da Nazaré? O que acham da cidade, da praia?

12 comentários:

  1. Olá, Liliana! :)

    Gostei muito da reportagem. Estava muito completa e interessante.

    Obrigada por ter falado no meu livro. Expressou em palavras o que centenas de pessoas me têm dito! Depois de lerem "A Revolução da Mulher das Pevides", voltam à Nazaré e vêem-na com outros olhos, ainda com mais interesse e emoção.

    Beijinhos,
    Isabel Ricardo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E a verdade é mesmo essa, depois de ler de uma forma tão intima a vida e o que as gentes da Nazaré passaram, passei a ver com outros olhos esta bela localidade, e fiquei com muito interesse em me embrenhar mais nas suas histórias e lendas :D

      Eliminar
  2. Já dei alguns passeios pela Nazaré (onde aproveitava para comprar pevides e tremoços :) ) Terra das nazarenas das sete saias e onde se pode ver muitas delas sentadas numa cadeira/banco nos passeios com cartazes a dizer "Aluga-se Quartos/Rooms/Chambres". Nunca cheguei a andar no ascensor. Vale a pena visitar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também nunca andei no ascensor, a ver se ando na próxima vez que lá for, que tenho muita curiosidade :D

      Eliminar
  3. Já fui à Nazaré mas na zona do topo (miradouro), achei a paisagem lindíssima, as nazarenas das sete saias.Tive lá cerca de meia hora, há muitos anos, gostava de lá voltar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vais voltar, vais ver, aqui em Leiria tens alojamento (comigo), depois é só irmos até lá ;)

      Eliminar
  4. Adoro a Nazaré, ainda este ano lá dei um saltinho

    ResponderEliminar

★ Todos os comentários são muito importantes, são o que dão vida a este blog. Obrigada por comentar e assim fazer parte deste espaço! ★
↧↧ ↧↧ ↧↧
✉ Para receber a minha resposta, clique ✔ em Notificar-me ☑