[Opinião] Pecados Santos | Nuno Nepomuceno

12 de setembro de 2018

Não matarás (Êxodo 20, 23 - Deuteronómio 5, 17)
SINOPSE
Nas comunidades judaicas de Londres e Lisboa, ocorre uma série de homicídios, todos eles recriando episódios bíblicos. Atos bárbaros de antissemitismo ou de pura vingança? Um rabino é encontrado morto numa das mais famosas sinagogas de Londres. O corpo, disposto como num quadro renascentista, representa o sacrifício do filho de Abraão, patriarca do povo judeu. O caso parece ficar encerrado quando um jovem professor universitário a lecionar numa das faculdades da cidade é acusado do homicídio. Descendente de portugueses, existem provas irrefutáveis contra si e nada poderá salvá-lo da vida na prisão.
Mas é então que ocorrem outros crimes, recriando episódios bíblicos em circunstâncias cada vez mais macabras. E as dúvidas instalam-se. Estarão ou não estes acontecimentos relacionados? Poderá o docente vir a ser injustamente condenado? Porque insistirá a sua família em pedir ajuda a um antigo professor, ele próprio ainda em conflito com os seus próprios pecados? As autoridades contratam uma jovem profiler criminal para as ajudar a descobrir a verdade. Mas conseguirá esta mente brilhante ultrapassar o facto de também ela ter sido uma vítima no passado? Abordando temas fraturantes da sociedade contemporânea como o antissemitismo e o conflito israelo-árabe, e inspirando-se nos Dez Mandamentos e noutros episódios marcantes do Antigo Testamento, Pecados Santos guia-nos através das ruas históricas de Londres, Lisboa e Jerusalém, numa viagem intimista e chocante sobre o que de mais negro e vil tem a condição humana.

Foi a minha estreia com o Nuno, apesar de acompanhar o seu trabalho desde o início, pois o Nuno tem dado muito que falar, sempre no bom sentido :)

Os livros da sua trilogia de "O Espião Português" ainda aguardam a sua vez na minha estante, e a sua hora haverá de chegar, mas de momento preferi estrear-me com este "thriller teológico", que é mais a minha onda do que o tema espionagem, que é um tema que não me fascina por aí além, mas quem sabe se depois de ler a trilogia do Nuno isso não mude?

Quanto a "Pecados Santos", no início custou-me um pouco a pegar na leitura, pois como já tenho comentado por este blog fora, quando os autores inserem a explicação histórica no diálogo, ou em troca de diálogos, ficando um monólogo enorme ou uma troca de diálogo pouco natural, essa falta de realismo desconcentra-me imenso... É algo que eu verdadeiramente não aprecio, pois parece que estamos num "pára-arranca", em que estamos a assistir ao desenrolar da história, então temos de parar para acompanhar aquele extenso diálogo, num repente volta à acção, depois de novo o monólogo ou troca extensiva de diálogos, e assim sucessivamente... 

Neste caso, felizmente, isso só aconteceu mais no início do livro, depois as explicações teológicas, simbólicas e históricas, sobre o passado e o presente já tomou o rumo de uma narração natural, e a partir dai foi desfrutar da leitura até ao fim, tanto que a determinado ponto eu não conseguia largar o livro.

E uma curiosidade relativamente a eu fisicamente largar o livro, é que vai-se lá saber por que mistério, sempre que eu pousava o livro por algum motivo, fora de casa, tiravam-mo da frente, chegando a fugirem-me com ele! Sim, acreditem... Uma dessas vezes foi precisamente ao tirar a foto que vocês vêm no topo desta publicação, pousei o livro para a foto e estava a tentar focar o melhor ângulo, e uma mão apareceu de repente, apanhando-me totalmente desprevenida, e tirou-me o livro da frente, ao que a brincadeira lhe podia ter corrido mal, pois eu instintivamente virei-me logo para atacar.... literalmente!

Isto aconteceu quando eu cheguei ao trabalho logo de manhãzinha cedo, ainda meio ensonada, e aproveitei aquele espaço exterior para tirar a foto. Um colega meu apareceu por trás e pegou no livro porque queria ver a capa, mas foi tão repentino e eu estava tão distraída, que mandei meio berro e ia dar-lhe uma cotovelada, pois eu não tinha reparado que era ele! =P

Deu para dar uma boa gargalhada matinal, especialmente eu, pois ele nem deve fazer ideia da sorte que teve por eu o ter visto no último segundo!

Depois disso ele viu na minha página facebook uma foto que eu publiquei com este livro em que o meu gato Castiel também aparece na foto, fotos que costumo partilhar convosco, seguidores, na página facebook do blog, onde mostro a minha actual leitura e vos questiono qual a vossa, ao que o meu colega comenta: "Cuidado Lili, não o deixes tirar o livro!"
Parti-me a rir!

Outras das vezes foi quando pousei o livro para pegar noutras coisas, sendo a última ao sair do trabalho e um colega (outro) pegou no livro e começou a correr com ele, mas não chegou a ir muito longe... Mas o que se passava para as pessoas me estarem sempre a tentar tirar este livro?

TODOS os dias ando com livros, sempre, até costumo ir a andar e a ler, e foi a primeira vez que isto me aconteceu... Um mistério que nem o Afonso Catalão, protagonista desta história, seria capaz de desvendar, de certeza!.... =P

Voltando ao livro e falando em gargalhadas bem dadas, este livro conseguiu arrancar-me uma numa parte em que Afonso vai a um alfarrabista e mais não vos conto para não entrar em spoiler, mas posso dizer que esta foi uma forma de o autor se auto-inserir no livro de uma forma genial! Quase como Leonardo DaVinci volta e meia fazia auto-retratos nos seus quadros, assim o Nuno fez de uma determinada maneira, ... Genial!

Relativamente à escrita do autor: achei muito apelativa, com um bom desenvolvimento, ideias originais, descrição de cenas e locais de forma suave e realista, e houve cenas, especialmente duas tão macabras, que eu não estava nada a contar que uma pessoa tão simpática e tímida como o autor (quem eu já conheci pessoalmente) fosse escrever daquela maneira...
Pura brutalidade sem filtros, o que se tornou fascinante, mas também algo incómoda, pela maneira altamente realista e gráfica como foram descritas...

Tenho muita curiosidade em explorar mais esta faceta do autor, num próximo livro do género, o qual espero que que venha a caminho! Especialmente se for com este conteúdo teológico e/ou mitológico e lendário, seria brutal!!

Houve uma altura, já mais para o fim do livro, em que eu comecei a desconfiar sobre quem seria a pessoa por detrás dos crimes, e no final as minhas suspeitas confirmaram-se e apesar do desfecho ser satisfatório, pois não é daqueles livros que nos deixam com lacunas, há certas partes que eu senti que as situações foram um bocado "forçadas", de forma a justificar os acontecimentos, e creio que deveriam de ter sido melhor exploradas e elaboradas, mas mesmo assim até o final é satisfatório e apreciei mesmo a leitura.

Uma espécie de Dan Brown português, e em Portugal!

Se há coisa que eu adoro, é ler e aprender ao mesmo tempo, e é o que acontece com este livro, aprendi muito sobre judaísmo e até um pouco sobre a política actual e a história da Terra Santa e das guerras e disputas que já causou e ainda causa...

Muito bem Nuno! Gostei muito desta minha estreia, que venha o próximo dentro deste género!

E vocês? Já leram algum livro do Nuno Nepomuceno? O que acharam? :)

6 comentários:

  1. Ainda não li nada do Nuno, mas há muito que quero. Existem mistérios, é que eu sou fã do autor mesmo sem o conhecer (quero muito,mas com leitura de livro, senão o que digo? ). Claro que quem o conhece diz maravilhas dos livros e do Nuno como pessoa, que por ser dedicado aos seus fãs ninguém lhe fica indiferente /estarei influenciada? )
    Adorei a tua opinião sincera como sempre e fascinada com: "...e houve cenas, especialmente duas tão macabras, que eu não estava nada a contar que uma pessoa tão simpática e tímida como o autor (quem eu já conheci pessoalmente) fosse escrever daquela maneira...", brutal,estou ainda mais curiosa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto, o Nuno é um excelente auto-promovedor! =P
      Terei todo o gosto em te emprestar este (e outros livros) quando eu for novamente a Lisboa e combinarmos algo por lá! ;)

      Eliminar
  2. Já ouvi coisas boas deste livro. Agora fiquei curiosa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para quem gosta de thrillers e teologia, vai gostar deste livro, e um dos motivos para gostarmos ainda mais, é ser nacional, e nacional é bom e neste caso é mesmo! ;)

      Eliminar
  3. Já li opiniões muito positivas em relação a este livro. Do autor tenho 2 livros (ainda por ler): O Espião Português e A Célula Adormecida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também tenho ali dois que ainda não peguei, a aguardar a vez, é fantástico termos no nosso Portugal "Dan Brown´s", estilo nacional! :D

      Eliminar

★ Todos os comentários são muito importantes, são o que dão vida a este blog. Obrigada por comentar e assim fazer parte deste espaço! ★
↧↧ ↧↧ ↧↧
✉ Para receber a minha resposta, clique ✔ em Notificar-me ☑